Evaristo SA/AFP
Evaristo SA/AFP

Michelle Bolsonaro quebra protocolo e, pela primeira vez, uma primeira-dama discursa

Emocionada, a primeira dama usou a Língua Brasileira de Sinais para falar no parlatório e agradeceu a filho do presidente

Cristian Favaro, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2019 | 17h51

A primeira-dama Michelle Bolsonaro quebrou o protocolo ao discursar na cerimônia de posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Usando a Língua Brasileira de Sinais (Libras), Michelle falou que "as urnas foram claras": "O cidadão brasileiro quer segurança, paz e prosperidade". O discurso foi traduzido por uma intérprete.

Michele também aproveitou para agradecer a solidariedade da população ao seu marido durante o período de recuperação após o atentado em Juiz de Fora (MG). Emocionada, Michelle interrompeu o discurso em um momento e beijou Bolsonaro duas vezes.

“Gostaria de modo muito especial de dirigir-me a comunidade surda, as pessoas com deficiência e a todos aqueles que se sentem esquecidos: vocês serão valorizados e terão seus direitos respeitados. Tenho esse chamado no meu coração e desejo contribuir na promoção do ser humano”, afirmou.

Na ocasião, a primeira dama fez um aceno às pessoas com deficiência que, segundo ela, terão atenção especial neste governo. "Gostaria de me dirigir de forma especial à comunidade surda e de deficientes: vocês serão ouvidos", defendeu, e emendou: "trabalho de ajuda que sempre fez parte da minha vida e que a partir de agora, como primeira dama, posso ampliar de maneira significativa." 

A primeira-dama fez um agradecimento especial a Carlos Bolsonaro, um dos três filhos do primeiro casamento do marido, e o único a acampanhar o casal durante o desfile em carro aberto pela Esplanada dos Ministérios. 

"Em especial quero agradecer ao meu enteado Carlos por toda ajuda e parceria durante 23 dias em que passamos no hospital em São Paulo. Agradeço ainda a população brasileira pelas orações que nos deram tanta coragem para seguir adiante", afirmou Michelle.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.