Alan Santos/Planalto
Alan Santos/Planalto

Michelle Bolsonaro reclama de intolerância religiosa após vídeo em que fala em 'línguas'

Primeira-dama usou suas redes sociais para se posicionar a respeito da repercussão e piadas na internet sobre o vídeo em que aparece comemorando a aprovação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal

Natália Santos, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2021 | 15h13

A primeira-dama Michelle Bolsonaro usou sua conta oficial no Instagram para se manifestar a respeito da repercussão e piadas na internet sobre o vídeo em que aparece comemorando a aprovação do ex-ministro da Justiça e da AGU, André Mendonça, ao Supremo Tribunal Federal (STF). Em resposta, Michelle classificou os comentários que tem recebido como “intolerância religiosa” e “desamor”.

Junto à imagem de uma manchete que afirmava que Michelle virou “chacota na web”, a primeira-dama publicou um trecho bíblico: "Usarei 1 Coríntios 2:10-14 para responder à intolerância religiosa e o desamor de muitos a meu respeito, por celebrar a vitória do meu irmão em Cristo André Mendonça 'Ora, o homem natural não compreende as coisas do espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente", escreveu.

Em vídeo que circula nas redes sociais, a primeira-dama comemora com entusiasmo a notícia sobre a conquista da cadeira de Mendonça, fala em línguas, diz “aleluia”, “glória a Deus” e repete gestos comuns em cultos pentecostais.

André Mendonça foi a segunda indicação de Jair Bolsonaro (PL) ao STF. O primeiro ministro indicado pelo presidente foi Kassio Nunes Marques. Ex-advogado-geral da União e ex-ministro da Justiça, Mendonça foi aprovado pelo Senado com um placar de 47 a 32 votos, resultado abaixo das expectativas dos aliados, com apenas seis votos a mais do mínimo necessário.

Assine o Estadão para ter acesso a notícias e análises mais aprofundadas, além de um aplicativo exclusivo e sem publicidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.