MG é o segundo Estado em número de invasões

Minas Gerais, onde está localizada a fazenda Córrego da Ponte de propriedade da família do presidente Fernando Henrique Cardoso, é o segundo Estado com maior número de invasões de terra, segundo um balanço feito pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário. No ano passado, das 157 ocupações registradas pelos técnicos do ministério, 22 foram em Minas, perdendo apenas para Mato Grosso do Sul, com 25. O levantamento do governo mostra ainda que nos últimos anos, houve uma queda considerável do número de invasões que chegou a 502, em 1997.No ano seguinte, o total caiu para 446 mas voltou a subir para 455 em 1999. Em 2000 foram realizadas 226 ocupações. A fazenda que pertence aos filhos do presidente já foi alvo de várias ameaças mas, em nenhuma delas, os sem terra chegaram a ocupar a sede da propriedade como ocorreu ontem. O Movimento dos Sem Terra (MST) justificou a decisão de invadir a propriedade pela falta de atenção das autoridades com as reivindicações do movimento. Conforme nota oficial divulgada pelo MST, entre outras coisas, eles querem assentamento de 80 famílias excedentes dos programas desenvolvidos na região e ainda uma solução para as 80 mil famílias que estão em mais de 600 acampamentos espalhados em 23 Estados.De acordo com números apresentados no mês passado pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Raul Jungmann, 584.655 famílias foram assentadas nos últimos sete anos, o que corresponde a quase 20 milhões de hectares, 4.275 novos assentamentos e investimentos de R$ 13,2 bilhões. Além disso, o governo aplicou R$ 14,4 bilhões no plantio e custeio da safra por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Para a safra 2001/2002, foram R$ 4,196 bilhões.O balanço do governo mostra ainda que outros R$ 337,5 milhões foram destinados para crédito de instalação e infra-estrutura aos assentados, sendo R$ 237,5 milhões para instalação, beneficiando 90.839 famílias, e R$ 100 milhões para infra-estrutura, atendendo 50.100 famílias.O ministério, de acordo com o levantamento feito, obteve ainda mais R$ 251,8 milhões por meio de parcerias com outros órgãos do governo e organismos internacionais. Os recursos foram usados para construção de casas para os assentados, infra-estrutura dos assentamentos e planos de desenvolvimento, assistência técnica e capacitação dos agricultores."Além disso, o governo entregou títulos definitivos a 127.611 famílias entre 2000 e 2001. Outras 134.011 famílias foram consolidadas nos assentamentos. A família somente é consolidada depois de receber todos os créditos do governo", destaca o documento. Mais de 693 mil famílias em 4.257 municípios se inscreveram para ingressar no programa de reforma agrária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.