Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

'Mexer com família, é inadmissível', diz Temer a auxiliares sobre protestos em sua casa

Em discurso para anúncio de medidas econômicas, presidente em exercício afirmou que 'aqueles que quiserem esbravejar, façam-no quando quiser, mas pela via legal e democrática'

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2016 | 16h25

BRASÍLIA - Durante discurso de anúncio das medidas econômicas aos líderes partidários no Palácio do Planalto nesta terça-feira, 24, o presidente em exercício, Michel Temer, demonstrou indignação com os protestos feitos na porta de sua casa, em São Paulo, que teriam deixado assustados e com medo sua mulher, Marcela, e seu filho, Michel, de sete anos.

Segundo assessores do presidente em exercício, ele está particularmente irritado com o que ocorreu porque "mexer com a família, é inadmissível". "Quer fazer protesto, vem aqui para a porta do Jaburu (residência oficial de Temer) e não para a porta da minha casa, onde está minha família. Isso não é possível", disse Temer a auxiliares, ao ser informado pela mulher, que lhe telefonou nervosa, com receio de que os manifestantes pudessem invadir a residência. No fim de semana, por exemplo, o presidente em exercício acabou antecipando sua volta para Brasília e trouxe junto a mulher e o filho.

"Temos sido vítimas de agressões", chegou a lembrar o presidente em exercício, acrescentando que "aqueles que quiserem esbravejar, façam-no quando quiser, mas pela via legal e democrática". Em seguida, Temer defendeu a "pacificação do País" e reagiu às acusações de que seu governo seja fraco porque recuou em algumas decisões. "As pessoas têm mania de achar que quem está no governo não pode voltar atrás. Nós somos como JK (ex-presidente Juscelino Kubitschek). Nós não temos compromisso com o equívoco. Se houver um equívoco, nós reveremos", declarou.

"Já ouvi dizer que Temer está muito frágil, coitadinho, que não sabe governar. Conversa!", disse, alterando o tom de voz e batendo com força na mesa com a mão. "Eu fui secretário de Segurança em São Paulo por duas vezes e tratava com bandidos. Eu sei o que fazer no governo e saberei conduzir", desabafou. E reiterou: "se entender que houve um equívoco na fala, na condução, eu reverei posição. Não tem essa coisa de que eu errei, não aceito mudar. Se eu fizer, consertá-lo-ei".

Após a fala do presidente em exercício, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, foi questionado durante a coletiva de imprensa sobre o que Temer queria dizer quando citou que já tinha sido secretário de Segurança e "tratava com bandidos". "À fala do presidente não cabe ilação, ele falou dentro de um contexto. É um homem que já foi secretário de Segurança Pública. Enfrentou problema com bandidos, o que é próprio da área de Segurança Pública. Ele tem estofo para aguentar qualquer tipo de pressão. Foi um homem que, com diálogo e firmeza, sem violência ou arroubo, soube enfrentar violência desse porte. Está preparado para enfrentar pressões que o cargo da Presidência impõe", afirmou Geddel, ao ser questionado sobre que tipo de bandido Temer se referia se "da rua ou políticos".

Diálogo. No discurso aos líderes partidários, Temer avisou que "este é o governo do diálogo" e por isso, antes de anunciar as medidas econômicas ou encaminhá-las ao Congresso, fez questão de chamar os parlamentares ao Palácio do Planalto para lhes informar sobre as propostas e, segundo ele, repetirá este gesto sempre. Temer pediu também pressa na aprovação das medidas. "Temos de trabalhar dobrado", disse, após lembrar sua condição de interino e salientar que está há 12 dias no governo, mas jornais e revistas tratam como se já houvesse dois anos.

Temer refutou ainda "àqueles que pretendem dizer que houve rompimento, ruptura da Constituição". "Isso não aconteceu. Nossas instituições estão funcionando e eu sou uma consequência da Constituição. O vice-presidente é uma consequência do texto constitucional", afirmou.

Lava Jato. Um dia depois a saída de Romero Jucá do Ministério do Planejamento, abatido pela divulgação das gravações de conversas com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado nas quais falam de um suposto pacto do governo para estancar as investigações da Operação Lava Jato, o presidente em exercício defendeu a "moral pública" e avisou que "não está em busca de eliminar qualquer investigação apuratória".

Sob pressão da oposição, o presidente em exercício enfatizou em sua fala, sem citar diretamente a Lava Jato, que o seu governo não vai impedir as investigações. "Por mais que digam que há um esquema para impedir as investigações, o governo vai sempre incentivá-las. Não queremos isso, não (barrar as investigações). Ninguém quer", assegurou Temer.

O presidente em exercício citou artigo da Constituição Nacional que trata do princípio da moralidade para mostrar o compromisso com a operação. Segundo Temer, "não dá para silenciar" em relação às afirmações de que o governo quer impedir as investigações.

Ele prosseguiu salientando que, à frente da Presidência, quer cumprir a missão de ajudar a tirar o País da crise. Mas ponderou que isso não ocorrerá em "12 dias, dois meses, três meses". "Vamos levar tempo", afirmou.

Temer disse também que considerará a sua missão cumprida se conseguir entregar, em 2018, "um país com eleições tranquilas". Por isso, ele insistiu na tese da necessidade de "pacificação nacional". "Precisamos pacificar o País. Não podemos ficar nessa situação", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.