Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Em discurso, Bolsonaro diz que não teme pressões: ‘Meu couro é grosso’

Presidente minimiza desgaste político em meio à CPI da Covid e às acusações de irregularidades na compra de vacina pelo governo

Lucas Azevedo, especial para o 'Estadão', Gustavo Cortês, Matheus de Souza, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 17h43

CAXIAS DO SUL (RS) – O presidente Jair Bolsonaro minimizou o desgaste político que sofre em meio às acusações de irregularidades na compra de vacinas contra a covid-19 e a perda de popularidade nas pesquisas durante discurso na 1ª Feira de Grafeno Brasileira nesta sexta-feira, 9, em Caixas do Sul (RS).  “(Quanto) às pressões que eu enfrento, fiquem tranquilos, meu couro é grosso”, afirmou.

A declaração foi feita antes da entrevista do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que reagiu às ameaças do presidente às eleições e disse que quem defender retrocesso será “inimigo da nação” e da nota do presidente do TSE, Luis Roberto Barroso, que 

afirmou que ameaçar eleições é crime de responsabilidade.

Defensor do voto impresso, Bolsonaro afirmou que defende “eleições limpas”, sem apresentar provas de que houve fraudes no sistema de urna eletrônica. “Quando alguns falam em eleições, quero que analisem os ministros que indiquei, enfrentando pressões, e os que os antecederam. Não tinha como o Brasil dar certo no passado. O que mais quero são eleições limpas para que possamos, sim, garantir a vontade popular”, disse o presidente, acometido por um ataque de soluços durante o discurso que marcou a inauguração da primeira e maior planta de produção de grafeno em escala industrial da América Latina.

O presidente desembarcou na cidade por volta das 13h15 para cumprir agenda no Rio Grande do Sul nesta sexta, 9, e sábado. No desembarque, o presidente foi recebido e cumprimentado por apoiadores, muitos sem máscara, assim como ele. No caminho entre o aeroporto e o local do evento, Bolsonaro andou de pé na porta de uma viatura, acenando e apertando mãos de apoiadores.

De Caxias do Sul, Bolsonaro e sua comitiva partiram para a cidade de Bento Gonçalves, a cerca de 45 km do evento, e onde participa, à noite, de um jantar com setor empresarial e lideranças políticas locais, em uma vinícola.

Bolsonaro deve passar a noite na cidade para, na manhã de sábado, 10, viajar a Porto Alegre, onde se encontra com empresários e onde deve participar de um ‘motociata’. Está previsto um encontro com o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB). Entretanto, não há agenda com o governador Eduardo Leite (PSDB), que também não foi convidado para o evento em Caxias.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair BolsonaroCPI da Covid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.