Metroviários de SP decidem suspender greve

Os metroviários decidiram suspender em assembleia na noite desta segunda-feira a greve iniciada na quinta-feira. Bastante divididos, os funcionários decidiram voltar a trabalhar amanhã, mas têm nova assembleia marcada para o dia 11 e paralisação agendada para o dia 12, data da abertura da Copa do Mundo em São Paulo. Hoje, 42 funcionários foram demitidos e os metroviários pediam a readmissão destes trabalhadores como condição para voltarem a trabalhar.

BRUNO RIBEIRO, Agência Estado

09 Junho 2014 | 21h29

O secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, afirmou hoje que não houve acordo com os metroviários e que o governo não readmitirá os 42 funcionários demitidos pela manhã. Os 13 funcionários detidos nesta segunda, após confrontos, também poderão ser demitidos.

O presidente do Sindicato dos Metroviários, Altino Prazeres Júnior, disse mais cedo que a categoria voltaria a trabalhar se o governo readmitisse os demitidos. "Todas as centrais sindicais do País estão solidárias com a luta. A intenção do governo é intimidar demitindo só 42 trabalhadores, e não todos os funcionários que não foram trabalhar de manhã e de tarde. Se Alckmin seguisse sua lógica deveria demitir toda a categoria", disse após a reunião de conciliação.

Na noite desta segunda, 50, das 65 estações do Metrô, estavam funcionando. A Linha 2 - Verde passou a operar normalmente, enquanto a Linha 1 - Azul opera do Jabaquara a Luz e a Linha 3 - Vermelha, da Penha a Marechal Deodoro. As linhas 4 e 5 não sofreram alterações com a greve.

Mais conteúdo sobre:
greve SP metrô suspensão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.