Meta é voltar aos anos 90, diz líder dos sem-terra

O coordenadorestadual do Movimento dos Sem-Terra (MST), Laércio Barbosa, disse hoje que a invasão da fazenda São Domingos por 1,2militantes - o número subiu para 1,5 mil durante o dia com a chegada de mais famílias dos acampamentos - marca o início deuma nova "série de ocupações" na região. As ações serão sempre realizadas com grande mobilização de pessoal para "não darchance aos jagunços armados". O objetivo, de acordo com o líder, é reviver os anos 90, quando o movimento realizou mais de400 invasões no Pontal. Na época, ocorreram vários conflitos sangrentos, envolvendo sem-terra e fazendeiros. "O conflito fazparte da luta", disse Barbosa. Ele atribui a esse tipo de pressão as terras obtidas pelas mais de seis mil famílias assentadas naregião. "Tudo o que conseguimos foi através das ocupações." Segundo ele, o MST cansou de ouvir promessas de assentamento. "Agora, chega de conversa. Vamos ocupar, sim, os latifúndios." Pelos cálculos do MST, a região tem pelo menos 90mil hectares de terras já consideradas devolutas. Só nos municípios de Euclides da Cunha Paulista e Rosana são 65 milhectares. O líder disse que o movimento não vai pouparo governo federal. "Onde for o caso de vistoria, vamos exigir que o Incra faça." O MST já realizou 14 invasões este ano no Pontal,mas o líder diz que as ações estão só começando. Segundo Barbosa, a fazenda São Domingos já foi declarada devoluta em segunda instância, mas até agora as terras não foramarrecadadas. "A rigor, essa área já é nossa." Ele anunciou novas invasões para os próximos dias. "Recomeçamos a ocupar,agora não vamos parar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.