Mesmo sem cláusula, Freire quer fusão com PMN e PHS

O presidente nacional do PPS, Roberto Freire, disse nesta quinta-feira ser favorável à continuidade da fusão de seu partido com o PMN e o PHS, informou o Estado. "A fusão pode continuar até porque uma das discussões que tivemos com o PHS e o PMN era de que a fusão não estava sendo feita apenas para superar a cláusula da barreira", afirmou o deputado federal pernambucano. "Estávamos construindo uma nova formação partidária, baseada em idéias e programas". Freire ainda não conversou com os representantes das duas legendas para saber qual será o futuro da fusão - o novo partido foi batizado de MD (Mobilização Democrática) -, mas adiantou que PHS e PMN terão total liberdade para decidir. "Eu acho que devemos continuar, salvo se alguém decidir o contrário". O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Marco Aurélio Mello, disse nesta quinta-feira que ainda há tempo para os partidos que decidiram se fundir ou incorporar outras legendas recuarem da decisão. Oficialmente, as siglas novas não existem, porque os registros junto aos Tribunais Regionais Eleitorais não foram formalizados - eles aguardavam a decisão do Supremo. Além do PPS, o PTB e o PL se uniram a partidos nanicos para driblar a cláusula. O PTB incorporou o PAN e já recebeu parecer favorável a esse movimento da Procuradoria Geral Eleitoral. O PL se fundiu ao Prona, para criar o PR (Partido da República). Os presidentes das demais siglas não foram encontrados ontem para comentar a decisão do Supremo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.