Mesmo sem acordo Câmara pode votar MPs hoje

Mesmo sem acordo para limpar a pauta de votações da Câmara, os deputados deverão começar a votar hoje algumas das 21 medidas provisórias que estão trancando a pauta do plenário da Casa. "Vamos votar alguma coisa, mas o quê, só Deus sabe", afirmou o líder da minoria, deputado José Thomaz Nonô (PFL-AL), ontem, ao deixar o jantar na casa do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP). "Não houve acordo de procedimento nem de mérito. Vamos continuar negociando nesta terça-feira para ver se dá para votar alguma medida provisória", disse o líder do PT na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), após a reunião que durou cerca de quatro horas.No encontro marcado por João Paulo, os partidos da base foram os mais resistentes. "A retomada das votações depende mais da base aliada do que da oposição neste momento", avaliou o líder do PSB na Câmara, Renato Casagrande (ES). "A oposição está apenas assistindo", completou Casagrande. Para o líder do PFL na Câmara, José Carlos Aleluia (BA), a tendência é que haja votação hoje no plenário. "Devemos votar alguma coisa, o que é uma diferença muito grande de votar com celeridade", afirmou Aleluia.Na reunião, o presidente da Câmara fez um apelo para que os deputados garantam as votações, argumentando que é necessário preservar a imagem da Casa. Desde agosto, os deputados estão praticamente sem votar projetos no plenário, o que está provocando um desgaste político para a Casa. Mesmo sem resultado, o líder do governo na Câmara, Professor Luizinho (PT-SP), avaliou que a reunião de ontem à noite foi positiva. "Houve avanço na medida que a oposição sentou para conversar", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.