André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Mesmo desgastado, Maranhão diz que não abre mão de presidir sessões da Câmara

Vice-presidente da Casa, o parlamentar do PP (MA) está no comando enquanto Rodrigo Maia (DEM-RJ) exerce a Presidência da República no lugar de Michel Temer, que está em viagem ao exterior

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2016 | 16h52

BRASÍLIA - O primeiro vice-presidente da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), afirmou nesta segunda-feira, 17, que não abre mão da prerrogativa de presidir a Casa na ausência de Rodrigo Maia (DEM-RJ), que está exercendo a Presidência da República enquanto Michel Temer está em viagem ao exterior.  

"Não tenho por que abrir mão, é prerrogativa regimental. Eu sou o presidente. Tem que respeitar o regimento. Estou aqui para ajudar a Casa, ajudar o País", disse ao chegar à Câmara.

Líderes de partidos da base aliada do governo têm defendido que "não há condições" de Maranhão comandar as sessões da Casa. O deputado se desgastou quando assumiu interinamente a presidência da Câmara após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do cargo, em maio. Na ocasião, ele tentou anular a votação do impeachment da então presidente Dilma Rousseff.

"Não acredito que ele (Maranhão) vá criar problema. É melhor que fique (na presidência) ou o primeiro-secretário ou o segundo vice-presidente", disse o líder do DEM, Pauderney Avelino (AM).

Nas últimas viagens de Temer, quando Maia assumiu a Presidência, quem comandou as sessões, inclusive a que tentou votar a anistia ao caixa dois em campanhas, foi o primeiro secretário da Câmara Beto Mansur (PRB-SP). O segundo vice-presidente da Casa é o deputado Giacobo (PR-PR).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.