Valter Campanato|Agência Brasil
Valter Campanato|Agência Brasil

Mesmo afastado, Cunha continua personagem central do impeachment

Nesta terça-feira, 30, o jurista Miguel Reale Jr. usou a tribuna do Senado para rebater a tese de que o peemedebista agiu por vingança ao aceitar o pedido de afastamento de Dilma

Isadora Peron, Igor Gadelha, Rachel Gamarski e Fábio Fabrini, O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2016 | 00h51

Brasília - Mesmo afastado do mandato de deputado federal, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) continua um personagem central no processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Nesta terça-feira, 30, o jurista Miguel Reale Jr. usou a tribuna do Senado para rebater a tese de que o peemedebista agiu por vingança ao aceitar o pedido de impeachment.

Em seu depoimento na véspera, a petista voltou a afirmar que Cunha deflagrou o processo, em dezembro do ano passado, porque ela não aceitou colocar um freio nas investigações da Operação Lava Jato e porque o PT não quis votar contra prosseguimento do pedido de cassação do peemedebista.

"Eu saí chocado do discurso da presidente Dilma. A impressão que tive é de que a presidente está de costas para a Nação. Ela atribuiu este processo a uma trama urdida por Eduardo Cunha, sem se aperceber que este processo nasceu das ruas", disse Reale Jr.

O jurista é um dos autores do pedido de impeachment e dividiu com a advogada Janaína Paschoal o último período que a acusação teve ontem para expor os seus argumentos pró-afastamento. O terceiro autor, o ex-petista Hélio Bicudo, não compareceu à sessão por questões de saúde.

O ex-ministro José Eduardo Cardozo, advogado de Dilma no processo, também voltou ao tema em seu discurso na tribuna do Senado. Ele lembrou que a petista não apoiou a eleição de Cunha para a presidência da Câmara e acusou o peemedebista de trabalhar para desestabilizar o governo. Segundo ele, o peemedebista enviou diversos recados ao Palácio do Planalto.

“Um dos recados era: "Parem com a Lava Jato. Demita o seu ministro da Justiça e o seu diretor-geral da Polícia Federal, porque, senão, esse governo será desestabilizado”, disse.

O “ultimato” dado por Cunha, segundo Cardozo, teria sido: "Se não houver votos do PT para arquivarem o meu processo, eu abro o impeachment”.

A própria Dilma, ao comparecer pessoalmente ao Senado, citou Cunha, o que levou o ex-presidente da Câmara a divulgar uma nota anteontem dizendo que a presidente afastada "segue mentindo contumazmente". Cunha afirmou ainda que Dilma "esquece" que a acusação de que houve desvio de poder na abertura do processo já foi decidida pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que "reafirmou a lisura" de seu ato.

Acordos. Em seus discursos, diversos senadores aliados de Dilma também culparam Cunha pelo impeachment da petista. O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), rebateu essas afirmações. Para o tucano, o governo da petista fechou acordos com o então presidente da Casa quando lhe foi conveniente.

Ele insinuou, por exemplo, que a parte que fazia referência à Lava Jato foi retirada do pedido de impeachment pelo peemedebista não só porque o peemedebista era alvo das investigações, mas porque costurou-se um acordo para favorecer Dilma.

Cunha, que já é réu em dois inquéritos por conta do esquema de corrupção da Petrobrás, foi o responsável por abrir o processo de impeachment contra Dilma em dezembro do ano passado. Ele ainda presidia a Câmara quando o processo foi aprovado pelos deputados, em abril. No início de maio, o Supremo Tribunal Federal decidiu afastá-lo do cargo. O processo que pede a cassação definitiva do seu mandato está na pauta da Câmara para ser votado no dia 12 de setembro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.