Mesa decide nesta terça se pede perícia da PF sobre Renan

Se houver pedido de vista, documentos podem ficar para depois do recesso parlamentar

Agência Brasil

16 de julho de 2007 | 13h34

A Mesa Diretora do Senado se reúne nesta terça-feira, 17, para tratar do processo contra o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). A comissão formada no Conselho de Ética para relatar o processo por quebra de decoro encaminhou à Mesa um pedido de novas perícias da Polícia Federal (PF). O objetivo é averiguar se o senador tem fundos para pagar pensão alimentícia informal para a jornalista Mônica Veloso, com quem teve uma filha.   O pedido inclui uma relação de documentos das secretarias de Agricultura e da Fazenda de Alagoas, onde o parlamentar possui fazendas de gado. Esses documentos servirão de base para as novas perícias que podem ser realizadas pela PF. O objetivo é saber se realmente ocorreram as vendas de gado declaradas por Renan ao justificar a origem do dinheiro usado para pagar a pensão - ele é acusado de obter a verba junto a um lobista da construtora Mendes Jr., que possui contratos com o governo federal.   Os relatores no Conselho de Ética são Marisa Serrano (PSDB-MS), Renato Casagrande (PSB-ES) e Almeida Lima (PMDB-SE).O peemedebista foi o único que se opôs. Para ele, não cabe à PF investigar o senador. "Qualquer trabalho de investigação, de produção de prova, envolvendo membro do Congresso Nacional, só com autorização do Supremo Tribunal Federal", disse na última semana. Já para Renato Casagrande, o pedido é de colaboração técnica e não se trata de uma investigação.   "A Polícia Federal não vai fazer investigação. Vai avaliar documentos", justificou. O corregedor da casa, senador Romeu Tuma (DEM-SP), avaliou na semana passada que o processo está causando crise no Senado e provocando um ambiente de espiritualidade "pesada". "Peço desculpas aos espíritas, a quem eu respeito muito. Se trouxerem dez chefes de terreiro, e sendo três da Bahia, não vão conseguir fazer um descarrego que melhore o estado espiritual do Senado", disse.   O PSDB, o DEM e o PSOL deverão fazer uma "vigília" para garantir que a Mesa Diretora envie o pedido do Conselho de Ética à Polícia Federal. O líder do DEM, José Agripino Maia (RN), chegou a ameaçar na última semana ir ao Supremo caso isso não ocorra.   Documentos solicitados   Ao presidente do Senado, foram solicitados livro-caixa por cada propriedade rural, talonários de origem das notas fiscais e ficha cadastral do rebanho entre 2003 e 2006, por propriedade rural, referente ao controle do estoque de gado.   Se algum integrante da Mesa Diretora pedir vista ao processo, o envio à Polícia Federal pode ficar para depois do recesso parlamentar, que começa na próxima quarta-feira. A PF informou que precisará de no mínimo 20 dias para concluir os trabalhos e o Conselho de Ética espera que isso seja feito durante o recesso.      

Tudo o que sabemos sobre:
SenadocriseRenan Calheiroslobista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.