Mesa decide amanhã sobre abertura de 6º caso Renan

A Mesa Diretora decide amanhã se autoriza o Conselho de Ética a abrir a sexta investigação contra o presidente licenciado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Desta vez, o peemedebista, conforme denunciou o jornal O Estado se S.Paulo, é acusado de utilizar o cargo para destinar recursos à empresa fantasma de um ex-assessor. Na representação, protocolada na semana passada pelo PSOL, Renan é ainda acusado de supostamente ter praticado crimes de exploração de prestígio, tráfico de influência, intermediação de interesses privados, corrupção ativa e passiva e formação de quadrilha. Na mesma reunião da Mesa, marcada para 11 horas, os integrantes devem decidir pelo arquivamento da representação contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Também protocolado pelo PSOL, o pedido é para que o tucano seja investigado por participação no mensalão mineiro. A Mesa, no entanto, já deu sinais de que deverá indeferir o pedido de investigação com base em duas alegações. A primeira é que a denúncia é referente à campanha de 1998, quando Azeredo disputou a reeleição ao governo mineiro; portanto, trata-se de fato anterior ao mandato do tucano como senador. O segundo argumento é que o próprio Azeredo pediu, no início do ano passado, que fosse investigado pelo Conselho de Ética. À época, o órgão arquivou o pedido por entender que a denúncia era anterior ao mandato do senador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.