Mercosul lança campanha unificada contra o trabalho infantil

O Ministério do Trabalho lançou nesta quinta-feira, simultaneamente com a Argentina, Paraguai e Uruguai, a campanha contra a exploração do trabalho infantil. É a primeira vez que os quatro países se juntam para desenvolver uma ampla campanha publicitária visando a conscientizar e sensibilizar a população sobre os efeitos danosos do trabalho precoce.A campanha foi desenvolvida com apoio financeiro da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Ela será veiculada em rádios e TVs, além de contar com distribuição de cartazes e adesivos. Segundo dados de 2002 do IBGE, existem no Brasil cerca de 5,4 milhões de crianças e adolescentes trabalhando na faixa de 5 a 17 anos. Deste total, 2,1 milhões concentram-se na faixa etária dos 5 a 14 anos, em que o trabalho infantil é proibido. No Brasil o trabalho com pouca idade só é permitido a partir dos 14 anos na condição de aprendiz.A pesquisa mostra também que apesar de ainda estar longe de erradicar o trabalho infantil, o Brasil vem conseguindo resultados nesta área. No período de 1992 a 2002 houve redução de 47,78% na taxa de trabalho na faixa de idade de 5 a 14 anos. Em 1992 somava 4.111.217 o número de crianças e adolescentes trabalhando. Este número caiu, em 2002, para 2.146.855.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.