Mercadante vai propor trégua

Petista discutirá com Aécio como facilitar votações

Vera Rosa, O Estadao de S.Paulo

06 de março de 2008 | 00h00

A aliança entre PT e PSDB para a eleição à Prefeitura de Belo Horizonte, em outubro, já provoca efeitos colaterais. Inspirado nessa parceria, o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) vai conversar hoje com o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), levando a tiracolo uma proposta mais ousada: a trégua nas divergências políticas - ampliadas pela temperatura do ano eleitoral - e o entendimento entre os dois partidos para a aprovação de projetos essenciais, como as reformas tributária e política."Há uma patrulha ideológica que tenta implodir pontes para o diálogo entre o PT e o PSDB, mas nem que fosse uma pinguela eu iria ajudar a construir", disse Mercadante. "Não tenho expectativa de estar com Aécio no mesmo palanque, em 2010, mas até lá podemos construir um ambiente favorável ao diálogo." Ele pregou um "movimento de convergência" na direção do PSDB. Antes do encontro com o governador, ele também vai conversar sobre a possibilidade de parceria mais robusta com o prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT).O namoro entre Aécio e Pimentel rendeu a idéia da dobradinha que ainda passará pelo crivo das cúpulas do PT e do PSDB: o lançamento de Márcio Lacerda (PSB) para a prefeitura da capital mineira. O acordo conta com o aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas petistas torcem o nariz para o casamento. Detalhe: Lacerda, secretário de Desenvolvimento Econômico do governo Aécio, é ligado ao deputado Ciro Gomes (PSB-CE), que, como o tucano, quer entrar no páreo presidencial, em 2010.O assédio a Aécio, que promete enfrentar o governador de São Paulo, José Serra, numa prévia para escolher o candidato do PSDB à sucessão de Lula, aumentou nesta semana. Na segunda-feira, o deputado Michel Temer (SP), presidente do PMDB, também conversou com o governador mineiro, que confirmou seu desejo de concorrer ao Palácio do Planalto. Temer saiu do Palácio da Liberdade encantado com os planos de Aécio, embora o mineiro se recuse a migrar para o PMDB, como gostaria a direção do partido e o próprio Lula. A romaria na direção de Aécio não pára aí: hoje o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), candidato à Prefeitura da Rio apoiado pelo PSDB, também pedirá sua benção. "Vou conversar com Aécio sobre minha candidatura e o trabalho de cooperação com o governo de Minas", disse Gabeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.