Mercadante: senadores irão exigir punição de culpados

Cresce a expectativa no Senado com a reunião da Mesa Diretora prevista para hoje, quando o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), deverá anunciar medidas moralizadoras. Líderes de partidos aliados e de oposição, que não integram a Mesa, já confirmaram participação. "Os senadores que vão lá irão exigir medidas de reforma administrativa da Casa e punição dos envolvidos", disse o líder do PT, senador Aloizio Mercadante (SP), em referência às recentes denúncias sobre atos secretos na Casa usados para beneficiar parlamentares. "A crise do Senado é de modelo, de uma estrutura agigantada que tem de ser reduzida à metade", defende o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE).

EUGÊNIA LOPES E CHRISTIANE SARMARCO, Agencia Estado

23 de junho de 2009 | 14h06

Para o líder tucano, a única saída para que os atuais membros da Mesa Diretora se sustentem nos cargos é um "ato administrativo corajoso" que dê a resposta que a sociedade espera. "Mas estou totalmente desesperançoso de que algo radical vá acontecer nesta reunião de hoje", afirmou Guerra. O líder do PSDB, senador Arthur Virgílio (AM), também já avisou que irá à reunião. Ontem, ele pediu na tribuna da Casa a punição de Agaciel Maia e João Carlos Zoghbi, ambos ex-diretores do Senado e apontados como os responsáveis pelo caso dos cerca de 650 atos secretos.

O discurso de Virgílio foi o início de um movimento pelo afastamento de Sarney da presidência do Senado, sugestão feita pelo senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Outro que também fez a mesma recomendação foi o senador Pedro Simon (PMDB-RS). "Ele (Sarney) tem de se afastar. O problema é que não sei quem colocar no lugar", disse o peemedebista.

Tudo o que sabemos sobre:
atos secretosSenadoreuniãolíderes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.