Mercadante rebate críticas de Malan ao PT

O deputado federal Aloísio Mercadante (PT-SP) rebateu as críticas ao partido feitas hoje pelo ministro da Fazenda, Pedro Malan, sobre o que o ministro chamou de "ambigüidades nos discursos dos principais representantes econômicos do partido" - como o próprio Mercadante, o pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva e o economista Guido Mantega. "Ambíguo é o partido do governo que nem sabe, até o momento, quem vai ser o seu candidato nem que partido comandará a chapa", disse Mercadante. O deputado classificou a atual política econômica como desastrosa, seja no crescimento econômico, na questão da dívida pública e no aumento dos impostos. Ao ser questionado sobre as metas de inflação respondeu: "Que metas? Pelo que eu saiba elas não serão cumpridas". De acordo com Mercadante, o PT preservaria a Lei de Responsabilidade Fiscal, mas teria de fazer alguns ajustes, segundo ele, com transparência e maturidade, que preservassem a essência da lei. Ele ainda criticou o ministro por afirmar sobre o risco de um eventual governo petista abandonar o regime de câmbio flutuante. Mercadante destacou que num regime de câmbio flexível é necessário o regime de metas de inflação. "Mas que não seja essa cláusula pétrea, como é hoje. Além disso, quem é ele para falar sobre câmbio flexível, depois de ter mantido por quatro anos o regime de câmbio fixo, que afundou o País", afirmou. "Malan precisa de mais humildade e de menos arrogância".

Agencia Estado,

12 de novembro de 2001 | 19h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.