Mercadante: PT não tem pressa em definir apoio

O líder do PT na Câmara, Aloizio Mercadante (SP) disse hoje, antes do início da reunião dos coordenadores de sua bancada, que o partido não deve decidir agora a quem deverá apoiar na eleição para a presidência da Câmara. Na avaliação de Mercadante, o PT deve explorar por mais tempo a divisão dos partidos da base governista. "Quando eles se dividem o povo ganha", afirmou Mercadante, lembrando que o PT conseguiu o reajuste do salário mínimo com o apoio do PFL e o aumento dos recursos para a bolsa-escola do Orçamento Federal com o apoio do PSDB. "Acabou o rolo compressor do governo", disse o líder do PT, acrescentando que o partido não deverá aceitar a proposta feita pelo candidato Inocêncio Oliveira, líder do PFL, que ofereceu a primeira vice-presidência da Câmara em troca do apoio petista. Segundo Mercadante, o PT defende que seja respeitada a proporcionalidade de cada bancada para o preenchimento dos cargos da mesa diretora da Câmara. Por outro lado, o vice-líder do partido, Walter Pinheiro (BA) considera que o PT deve se definir logo em relação ao apoio ao candidato à Presidência da Câmara. Na opinião de Pinheiro, a oferta feita por Inocêncio sepulta as chances de o PT apoiá-lo. "Isso é fisiologismo e seria contrariar todos os princípios que o partido defendeu até hoje", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.