Mercadante: oposição quebrou acordo ao convidar Lina

Líder do PT no Senado afirma que a base aliada passará a pedir verificação de quórum

Carol Pires, AE

12 de agosto de 2009 | 16h49

O líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), disse nesta quarta-feira, 12, que a base aliada passará a pedir verificação de quórum durante todas as votações nas comissões temáticas. A medida busca evitar situações como a desta quarta-feira, quando a oposição esperou um momento em que havia apenas um senador da base governista na CCJ e aprovou, em votação simbólica, uma audiência com a ex-secretária da Receita Federal Lina Maria Vieira para terça-feira que vem, 18. Segundo Mercadante, havia um acordo desde o início do ano entre o governo e a oposição para que nenhuma matéria polêmica fosse votada sem a presença de senadores de ambos os lados.

Veja também:

linkOposição consegue convocar Lina para depor no Senado

link'É a minha palavra contra a palavra da ministra', diz Lina Vieira

linkJucá: depoimento de Lina não acrescentará nada à CPI

 

"Foi uma quebra de procedimento do senador Demóstenes Torres (presidente da CCJ) de não votar matérias polêmicas sem a presença do governo e da oposição. Hoje (quarta-feira, 12) havia uma audiência pública e eles votaram (o convite a Lina Vieira) sem comunicar a bancada do PT. Evidente que foi uma manobra deles", criticou. O senador petista explicou que vários projetos foram aprovados por meio de acordo e que as matérias polêmicas eram votadas apenas com o plenário das comissões cheio. O petista afirma que o governo não fará mais acordo para votação de projetos com a oposição, mesmo que a matéria seja de menor importância.

O drible nos governistas foi uma forma de compensar a maioria folgada do governo na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, onde a oposição não conseguiu aprovar a convocação de Lina.

 

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Lina Vieira declarou que, no final do ano passado, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, lhe pediu para "agilizar a fiscalização do filho do Sarney". A ex-secretária afirma ter entendido o pedido como um recado "para encerrar" as investigações envolvendo a família do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Agora, a oposição quer que Lina compareça ao Senado para esclarecer a história.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.