Mercadante nega acusações de Silvio Pereira

O senador Aloizio Mercadante negou neste sábado participação nos esquemas de corrupção envolvendo o PT e afirmou que as denúncias feitas pelo ex-secretário geral do PT, Sílvio Pereira atingem diretamente a sua pré-candidatura ao governo do estado de São Paulo pelo partido. O PT escolherá neste domingo entre Mercadante e a ex-prefeita Marta Suplicy quem será o nome para a disputa ao Palácio dos Bandeirantes. "Eu estranho essas declarações feitas um ano depois , depois de três CPIs, de investigações do Ministério Público e da Polícia Federal. São denúncias feitas às vésperas de uma prévia", afirmou o senador, em seu último dia de pré-campanha na região do Capão Redondo, em São Paulo. "Eu sei que tem gente que não gostaria de me ver candidato porque eu fui muito duro em relação a esses erros, e vou continuar sendo."O senador disse que não vai levantar suspeitas sobre os motivos que levaram Silvio Pereira a fazer novas denúncias sobre o mensalão. "Acho que ele está passando por momento difícil. Posso até entender que ele queira se defender mas não fazer ilações e acusações que não tenham nenhum fundamento."Apesar de não associar as acusações de Sílvio Pereira a uma possível estratégia para prejudicar sua pré-campanha, pessoas ligadas a sua coordenação política afirmaram ser evidente uma possível estratégia orquestrada pelo grupo ligado à Marta para prejudicá-lo nas prévias. Questionado sobre os estragos causados pela denúncia à sua intenção de concorrer ao governo do Estado, Mercadante foi taxativo. "Não tenho dúvida que discutir esse tipo de pauta no dia da prévia é evidente que só pode trazer prejuízos, mesmo que as denúncias não me coloquem em nenhuma situação de corrupção ou desvio de conduta."O senador fez ainda uma defesa incondicional do presidente Lula. "Estou tranquilo em afirmar que o presidente não teve qualquer envolvimento nesses erros". Mercadante considerou ainda fantasiosa as afirmações de que o PT planejava arrecadar R$ 1 bilhão com os esquemas de desvio de dinheiro. "Não parece ser viável essa acusação. Seria uma proposta surrealista um partido querer arrecadar cifras dessa natureza". Ele negou ainda qualquer relação pessoal dele com o esquema do valerioduto. "Fui da executiva do partido até 2002, esse episódio do valerioduto eu nunca soube dentro do PT. Nunca falei com ele e desconheço que ele tivesse qualquer relação de intimidade com dirigentes do partido."Apesar de negar quase todas as acusações, o senador fez questão de dizer que se houvesse qualquer fato novo, ele será o primeiro a defender que se investigue com rigor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.