Mercadante evita falar de ministro da Integração, mas defende equilíbrio em repasses

De acordo com o titular da Ciência e Tecnologia, a presidente Dilma Rousseff vai acompanhar situação de Bezerra Coelho

Iuri Dantas, da Agência Estado

04 de janeiro de 2012 | 11h35

BRASÍLIA - O ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, não quis entrar no mérito das recentes denúncias contra o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho, mas defendeu a necessidade de equilíbrio na distribuição de verbas nos ministérios. Nessa terça-feira, 3, o Estado mostrou que cerca de 90% das verbas antienchente da Integração foram aplicadas em Pernambuco, Estado do ministro.

"Não tenho neste momento como fazer análise de mérito, mas precisamos ter equilíbrio na distribuição de verbas nos ministérios", afirmou Mercadante, para quem a imprensa cumpre o seu papel de apontar os problemas. O ministro disse que a presidente Dilma Rousseff vai acompanhar de perto a situação de Bezerra Coelho.

Insatisfeita com a canalização de verbas federais quase que exclusivamente para Pernambuco, Dilma interveio e ordenou a adoção de critérios técnicos na distribuição de recursos da pasta para combate e prevenção de desastres naturais - enchentes e desmoronamentos. Também nessa terça-feira, a presidente ordenou que a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, trate da questão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.