Mercadante diz que gesto de Suplicy 'reflete indignação'

Por seu twitter, líder do PT no Senado se solidariza com colega que mostrou cartão vermelho a Sarney

estadao.com.br,

27 de agosto de 2009 | 16h57

O senador Aloizio Mercadante (SP) classificou nesta quinta-feira, 27, por meio de seu twitter, como 'reflexo da indignação da sociedade' o gesto de seu colega Eduardo Suplicy (PT-SP), que durante discurso no plenário, na terça-feira, 25, mostro um cartão vermelho para reforçar seu pedido que José Sarney (PMDB-AP) saia da presidência do Senado.

 

Em sua mensagem, Mercadante se coloca junto com Suplicy na 'indignação' com a posição do PT de apoiar e votar pelo arquivamento das representações contra Sarney e afirma que ele e seu colega "perderam" a luta interna no partido. A identificação continua em outro post: "Defendemos sempre a licença de Sarney e a apuração no Conselho de Ética dos atos secretos do Senado".

 

O líder do PT no Senado também mostrou sua solidariedade com Suplicy, defendendo-o dos ataques que vem sofrendo. "Ele, como eu, não somos(sic)responsáveis pelos atos secretos e não recebemos vantagens ilegais", declarou Mercadante pelo micro-blog.

 

Divergências

 

Mercadante entrou em conflito com o resto da direção do partido dos Trabalhadores, ao se posicionar de forma diferente que o resto da sigla na questão das representações contra Sarney.

 

O líder do PT defendia que José Sarney se licenciasse do cargo de presidente do Senado e que as denúncias contra ele fossem apuradas. Porém, a direção do Partido dos Trabalhadores, em carta assinada por Ricardo Berzoini, presidente nacional da sigla, recomendou que seus senadores votassem no Conselho de Ética a favor do arquivamento. Ficou a cargo de Mercadante ler a carta para sua bancada, atitude que o senador de São Paulo se negou a fazer, passando a tarefa para o colega João Pedro (AM).

 

Após o episódio da recusa em ler de Ricardo Berzoini, Mercadante anunciou, também pelo twitter, que deixaria a liderança do partido no Senado, de forma "irrevogável". Só que, após uma conversa com Lula, Mercadante reviu sua posição e, em discurso no plenário, disse que ficava na liderança do partido por pedido do presidente, que por carta lhe disse que sua presença era "imprescindível" ao partido.

 

Lula

 

Nos últimos dias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se mostrou extremamente irritado com as atitudes tanto de Mercadante, como de Suplicy.

 

O presidente se mostrou duro com Mercadante, na conversa que tiveram e que fez com que o senador mudasse de ideia e permanecesse no posto de líder do PT no Senado. Lula disse que "não admitia ser pressionado" e que Mercadante havia cometido "grave erro político".

 

Em relação a Suplicy, o fato do senador ter mostrado um cartão vermelho a José Sarney deixou Lula extremamente irritado. Em uma reunião com ministros, o presidente se disse "estarrecido" com a atitude de Suplicy, que foi chamado de "moleque" na reunião, por reacender uma polêmica que estava enterrada.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.