Mercadante diz acreditar que passa para o 2º turno

Na reta final da campanha eleitoral, o candidato a governador de São Paulo pelo PT, Aloizio Mercadante, acredita em virada e diz ter certeza de que vai para o segundo turno. "Vou ganhar a eleição porque teremos um palanque amplo no segundo turno, tenho 24% das intenções de voto, sou o candidato que mais cresceu, o meu adversário (Alckmin) está caindo nas pesquisas", afirmou o petista, durante entrevista em Presidente Prudente (SP).

SANDRO VILLAR, Agência Estado

10 de setembro de 2010 | 17h41

Esta é a segunda vez neste ano que o petista faz campanha na cidade do extremo oeste paulista. Acompanhado pelo candidato a senador Netinho de Paula (PCdoB) e por autoridades municipais que o apoiam, Mercadante fez caminhada hoje pelo calçadão da cidade.

O candidato criticou o governo tucano paulista. Para ele, o preço do pedágio no Estado é ''abusivo'', e prometeu, se eleito, baixar a tarifa. "Um carro paga (ida e volta) R$ 131,00 entre São Paulo e Presidente Prudente, um caminhão paga R$ 700,00", calculou, acrescentando que entre São Paulo e Belo Horizonte a tarifa é de R$ 100,00 "numa estrada federal" (Rodovia Fernão Dias). "Eles trouxeram duas coisas para o oeste paulista: pedágio e presídio", acrescentou o petista, referindo-se ao governo do PSDB.

Além de reduzir a tarifa do pedágio, Mercadante prometeu investir nas ferrovias e hidrovias para desenvolver a região."Vou reaparelhar as ferrovias e as hidrovias para baratear o custo do transporte, que é quase todo, cerca de 93%, feito por rodovia", disse.

Mercadante também disse que pretende criar o que chamou de BNDES paulista, "um banco de incentivos para financiar o desenvolvimento, como a agricultura familiar". Ele também rebateu as críticas do candidato Geraldo Alckmin, que o acusa de faltar às sessões do Senado. "Nos últimos oito anos, faltei três vezes, duas por causa de uma cirurgia e uma para tratar da campanha".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.