Mercadante dá o troco a Pratini

O deputado Aloizio Mercadante (PT-SP) considerou "agressões" as críticas do ministro Pratini de Moraes, da Agricultura, ao presidenciável petista Luiz Inácio Lula da Silva pela defesa que este fez do subsídio agrícola, em Paris, onde se encontrou com o primeiro-ministro francês, Lionel Jospin.Pratini chamou Lula de "quinta-coluna da agricultura", já que a França tem sido "um dos maiores subsidiadores da agricultura" e "um dos maiores inimigos do Brasil nas negociações internacionais na área agrícola".Uma nota com a resposta de Mercadante a Pratini foi distribuída nesta quinta-feira pelo Gabinete da Liderança do PT na Câmara. Pelo telefone, Mercadante afirmou que o que Lula disse (em Paris) "é que a França tem sabido defender seus interesses e que o governo brasileiro não tem feito o mesmo frente aos países ricos".Eis a íntegra (de seis pontos) da nota:"1 - Quinta-coluna é o governo de Fernando Henrique Cardoso, que vendeu irresponsavelmente o Brasil para o capital estrangeiro. 2 - Quem eliminou os subsídios para a agricultura abriu a economia irresponsavelmente e manteve o real artificialmente sobrevalorizado, permitindo as importações predatórias e destruindo a competitividade da economia brasileira, foi o governo Fernando Henrique Cardoso. 3 - O ministro Pratini de Moraes executou até agora apenas 8% do orçamento específico para o Ministério da Agricultura e, levianamente, contra a própria Confederação Nacional da Agricultura, tem dito que aceita reduzir a zero as tarifas do Brasil se a Europa fizer o mesmo. 4 - Quem trouxe a febre aftosa para o Brasil foi o Ministério da Agricultura, já que o governo petista do Rio Grande do Sul alertava desde março para a necessidade de vacinação preventiva do gado. Mas o ministro impediu, prejudicando a pecuária brasileira. 5 - Lula disse é que a França tem sabido defender seus interesses e que o governo brasileiro não tem feito o mesmo frente aos países ricos. Afirmou ainda que a agricultura é, sim, multifuncional, pois produz alimentos, gera empregos, permite a ocupação territorial e é essencial para a soberania nacional. Por isso, é legítimo subsidiar a agricultura dentro dos limites da segurança alimentar de uma sociedade. É inaceitável, porém, o subsídio abusivo que vem sendo praticado pelos países ricos, como os Estados Unidos e a própria Europa, forçando a queda dos preços dos produtos agrícolas que o Brasil e outros países em desenvolvimento produzem. 6- A política econômica e externa deste governo tem sido predatória em relação à indústria, à agricultura e ao País. É por isso que o Brasil precisa de um novo governo, que acredite e fortaleça o mercado interno, que recupere a auto-estima do povo brasileiro e faça o Brasil acreditar nas suas possibilidades."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.