Mercadante critica ritmo das obras do PSDB em SP

A propaganda do candidato do PT ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, criticou o ritmo das obras de infraestrutura do PSDB nos 16 anos em que administra São Paulo e prometeu construir 30 quilômetros de metrô num eventual governo do PT. Segundo a propaganda, nos quatro anos em que administrou São Paulo, de 2003 a 2006, Geraldo Alckmin fez apenas 2,3 km de metrô na capital paulista. Por meio de entrevistas nas ruas, o PT colheu opiniões de eleitores. "É pouco", disse um deles. "Só isso!", afirmou outro.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

01 de setembro de 2010 | 21h54

Mercadante defendeu a renegociação dos contratos de pedágios num governo do PT. "No futuro, você só vai pagar pelo quilômetro rodado", prometeu o candidato. No final da peça, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, pediu votos para Mercadante.

O candidato do PSB, Paulo Skaf, repetiu propaganda exibida na semana passada, em que mostra o candidato visitando, ao lado de Dilma, a primeira unidade do Senai no Brasil, na capital paulista. "Eu fico muito feliz que tenha o apoio de Dilma", disse.

O candidato do PV, Fábio Feldmann, destacou que para resolver os problemas de transporte do Estado é preciso diversificar a busca de alternativas, como hidrovias, ferrovias e terminais intermodais de carga. Celso Russomanno (PP) repetiu a exibição de cenas de pessoas em más condições de vida, que teve como fundo a música "Chega", de Silvio Brito, na qual diz "chega de ficar calado, de ver tudo errado e só dizer sim."

Mancha (PSTU) e Igor Grabois (PCB) defenderam a reforma agrária e se mostraram contrários à alta concentração de terras que, para eles, existe no Estado de São Paulo. Anaí Caproni (PCO) voltou a atacar a "privatização dos Correios". No programa do PSOL, um jovem que fazia gestos com luvas de boxe antecedeu a aparição do candidato do partido, Paulo Bufalo, que afirmou haver uma nova opção para fazer política no Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.