Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Mercadante avalia que indicadores apontam para queda de juro

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), disse que todos os indicadores caminham na direção da queda na taxa básica de juros (Selic) e que, com os resultados já alcançados no controle da economia, há condições para que o governo possa gastar um pouco mais, atuando para o crescimento da economia. "Há um cenário, no País, para uma queda progressiva dos juros, mas quanto e quando é o Copom que vai decidir", afirmou, referindo-se à reunião da próxima semana do Copom. Mercadante, que participou, no fim da manhã e início da tarde, no Palácio do Planalto, da reunião de coordenação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com líderes governistas e ministros, disse também que o governo vai lançar um conjunto de iniciativas que vão baixar os juros na ponta. Entre elas, citou o incentivo à abertura de novas cooperativas de crédito, a criação do Banco do Povo, maior retomada de vendas por consórcios, abertura de novas linhas de financiamento do BNDES e de linhas de crédito com custos mais baixos pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica Federal.Segundo Mercadante, com esse conjunto de medidas o governo espera recuperar a economia, e o efeito delas poderá ser sentido, já dentro de dois a três meses. O líder disse que o grande desafio, agora, é evitar que a recessão internacional contamine o Brasil e que essas medidas ajudarão também nesse propósito. Ele avaliou que o País já teve avanços importantes no governo Lula, que assumiu em meio a uma crise cambial, já revertida. Ele avaliou que as exportações cresceram e o ritmo das importações diminuiu; todos os indicadores de inflação caíram e convergem para a meta dos próximos 12 meses, de 8,5%; houve redução no custo da rolagem da dívida; o superávit primário ficou acima da meta negociada com o FMI e, portanto, há condições para que o governo possa gastar um pouco mais, atuando para o crescimento da economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.