Mercadante adia para sexta anúncio de saída do cargo de líder

Senador não teve tempo de conversar com Lula devido à viagem do presidente ao Rio Grande do Norte

Carol Pires, AE

20 de agosto de 2009 | 17h28

O senador Aloizio Mercadante (PT-SP) adiou para esta sexta-feira, 21, o pronunciamento que faria na tarde desta quinta, 20, para anunciar que deixará o cargo de líder de seu partido, informou sua assessoria de imprensa. A sessão plenária do Senado às sextas-feiras começa sempre às 9 horas, e Mercadante marcou seu discurso para as 10h30.

 

Veja também:

link Mercadante deixou petistas 'desamparados', diz Delcídio

link Mercadante admite derrota e mal-estar com Planalto

link Acordão

enterra caso Sarney e abre crise no PT

link Lula não vê crise no PT e garante que partido continua forte

link Recurso questiona arquivamento de ações contra Sarney

link Bancada do PT já perdeu 4 senadores desde eleição de 2002

 

O adiamento, segundo a assessoria do senador, foi necessário porque o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que o chamou para uma conversa nesta quinta-feira, 20, ainda não confirmou o horário do encontro. Lula está em viagem ao Nordeste e Norte. Mercadante, que entrou em divergência com senadores petistas na crise que envolve o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), já anunciou que deixará o cargo de líder.

 

Motivação

 

Mercadante tomou a decisão de deixar a liderança da bancada do PT no Senado devido ao posicionamento do partido na questão das representações contra Sarney, tema votado no Conselho de Ética na quarta-feira, 19.

 

O senador de São Paulo defendia que as denúncias contra o presidente da Casa fossem investigadas, enquanto o PT, por carta oficial escrita por Ricardo Berzoini, deputado federal (SP) e presidente do partido, orientou seus senadores a votarem pelo arquivamento de todas as representações contra Sarney. Como líder da bancada, Mercadante foi incumbido de ler a carta de Berzoini, função que não desempenhou, tendo repassado para o senador João Pedro (PT-AM).

 

Em um total de 15 votantes no Conselho de Ética,  PT possuía três membros - Ideli Salvatti (SC), João Pedro (AM) e Delcídio Amaral (MS)-, sendo que todos votaram conforme orientou o partido, ou seja, pelo arquivamento. Tanto a votação para arquivar as denúncias contra Sarney, quanto as representações, tiveram o mesmo placar: 9 votos pela não abertura e 6 pela investigação.

Tudo o que sabemos sobre:
MercadantePTSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.