Mercadante acusa CPI do Banestado de vazar dados

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), garantiu que as informações envolvendo quebra de sigilo bancário dos presidentes do Banco Central, Henrique Meirelles, e do Banco do Brasil, Cássio Casseb, saíram da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banestado. "A base de dados da CPI é a fonte das informações que estão sendo divulgadas", afirmou Mercadante, não querendo, porém, identificar a fonte do vazamento. "O parlamentar que está por trás não assume a responsabilidade" afirmou. "O objetivo eleitoral é o vazamento, envolvendo pessoas do governo, que foi seletivo e acovardado. Isso é inaceitável."Ao mesmo tempo em que responsabilizou a CPI pela divulgação de informações sigilosas, Mercadante condenou a aprovação, em bloco, dos requerimentos autorizando quebra de sigilo bancário, sem o cumprimento da lei. A quebra de sigilo precisa ser feita caso a caso e com fundamentação. O senador não quis, entretanto, comentar o fato de o relator da CPI, deputado José Mentor (PT-SP) não ter cumprido a lei, apresentando um pacote de quebra de sigilo à CPI. "Todos os membros da CPI têm que dar explicações e dizer os critérios adotados", afirmou. Embora evitasse tecer comentários sobre a atitude de Mentor, o líder do governo saiu em sua defesa do parlamentar quando os repórteres perguntaram se no petista não poderia ter vazado informações da CPI. "Seguramente não foi ele quem vazou", afirmou Mercadante. "Ele é da base do governo e não faria isso a dois meses das eleições".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.