Mercadante acredita que militância é fundamental para reação

'A estratégia, a nossa grande diferença, é a militância, sempre foi e nós sempre demos um salto', disse

Rejane Lima, de O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2010 | 19h13

CUBATÃO - O candidato do PT ao Governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, acredita que a militância vai fazer a diferença no final da campanha. Mercadante cumpriu agenda na tarde deste sábado, 25, na Baixada Santista, participou de uma carreata no Guarujá e de um comício em Cubatão.

 

"A estratégia, a nossa grande diferença, é a militância, sempre foi e nós sempre demos um salto e eu não tenho dúvida pelo clima que eu estou sentindo que nós vamos ter um crescimento decisivo nessa reta final", disse Mercadante após discursar por 15 minutos em cima de um caminhão de som estacionado no bairro Vila Nova, em Cubatão. Cerca de 400 pessoas acompanharam o comício na única cidade da Baixada Santista comandada pelo PT, no caso a prefeita Márcia Rosa.

 

No discurso, Mercadante lembrou que as últimas pesquisas de intenção de voto mostram o crescimento da sua candidatura e que assim como ele, seu adversário Geraldo Alckmin (PSDB) também acredita na pesquisa que aponta sua maior subida, alegando que prova disso é o fato do tucano utilizar grande parte do tempo da propaganda eleitoral da TV para atacá-lo.

 

Mercadante afirmou ainda que Alckmin não se dirige a ele nos debates, mas que o tucano não poderá fugir desse confronto no segundo turno, destacando a importância dos debates para a sua campanha. "Vamos ter os dois grandes comícios gerais da campanha nacional segunda e quarta-feira que vem e os debates da Globo que devem ter uma audiência melhor que os outros em que eu tive excelente desempenho na avaliação geral e isso vai ser decisivo para a nossa vitória", completou.

 

O candidato chegou à Baixada uma hora depois do previsto e acabou não completando o percurso da carreata realizada no Guarujá. Marcada para às 15h, a carreata que seguiu da avenida D. Pedro, na Enseada, até a praça 14 Bis, em Vicente de Carvalho, começou apenas às 16h15, mas como o comício em Cubatão estava marcado para às 16h30, Mercadante desceu do carro aberto no meio do trajeto e seguiu de carro direto para Cubatão, onde começou o comício também com uma hora de atraso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.