'Mensalão nunca existiu', concluiu defesa de Genoino

Advogado afirmou que seu cliente não participou de quadrilha, já que integrou o PT por projeto político, não para cometer crimes

Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo

06 de agosto de 2012 | 16h54

O advogado Luiz Fernando Pacheco sustentou na defesa do ex-presidente do PT José Genoino que o mensalão nunca existiu e questionou o fato de a denúncia da Procuradoria-Geral da República citar a compra de dez deputados no Congresso Nacional. Para Pacheco, esses parlamentares não teriam condições de aprovar projetos como a Reforma da Previdência, que passou com 357 votos.

"Comprando-se apoio de dez deputados, que é o que a denúncia traz, se teria o condão de influenciar 357?", questionou. "Mensalão é uma coisa que nunca existiu", concluiu.

Ele destacou que a denúncia inicial feita pelo presidente do PTB, Roberto Jefferson, era de pagamentos mensais de R$ 30 mil a parlamentares. Para o advogado, não ficou provada essa acusação.

Em relação a Genoino, há a acusação de compra de votos do PP e do PTB. Ele destaca que em ambos os casos há apenas um depoimento a sustentar a denúncia. Em relação ao PP, há um depoimento do ex-deputado Vadão Gomes dizendo ter presenciado uma reunião, da qual Genoino participou, em que se discutiu a possibilidade de um acordo financeiro entre os partidos. Vadão, porém, diz não saber se o acordo se consolidou e outros depoimentos mostrariam que Genoino não fez nenhuma negociação financeira.

No caso do PTB, sustenta a acusação contra o ex-presidente petista uma fala de Jefferson. Pacheco, porém, tenta desacreditar o acusador citando outros depoimentos em que o presidente do PTB diz ter negociado apenas com o ex-ministro José Dirceu. "Fica a palavra de um, dúbia, que se modifica conforme o dia e local contra a de Genoino, que sempre negou qualquer repasse".

O advogado afirmou ainda que seu cliente não participou de qualquer quadrilha. "Associou-se ao PT por um projeto político, não para prática de nenhum crime". Concluiu, após 40 minutos, pedindo a absolvição de Genoino.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalaojulgamentoGenoino

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.