Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Mensalão: ex-deputado diz que Adauto repassou dinheiro

O ex-deputado Romeu Queiroz (PTB-MG) atribuiu hoje ao ex-ministro dos Transportes e atual prefeito de Uberaba, no Triângulo Mineiro, Anderson Adauto (PMDB), a responsabilidade pelo repasse, em janeiro de 2004, de cerca de R$ 350 mil do PT para o PTB, por intermédio da agência de publicidade SMPB Comunicação. Em depoimento na Justiça Federal em Belo Horizonte, no processo do mensalão, Queiroz disse que sua participação no episódio se resumiu a um pedido a Adauto para que ele ajudasse o PTB a arrecadar doações visando a despesas diversas, incluindo gastos com a publicidade partidária gratuita. O ex-deputado do PTB de Minas Gerais negou que o montante fosse para pagar dívidas da campanha dele e disse que "não tinha razão nenhuma pra ser comprado". Queiroz afirmou que decidiu recorrer ao ex-ministro dos Transportes e prefeito de Uberaba após um pedido do presidente nacional do partido, Roberto Jefferson, para que ajudasse a angariar recursos à legenda. "A solução que ele buscou foi procurar o Delúbio Soares (ex-secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT)."Adauto, porém, em depoimento anterior, disse que apenas intermediou um encontro de Delúbio com o ex-deputado do PTB. Hoje, Queiroz afirmou que não conhecia e nunca esteve com o ex-secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT. Para o ex-deputado, o ex-ministro dos Transporte e prefeito "faltou com a verdade". "O depoimento do Anderson diz que eu fui buscar dinheiro para pagar despesas de campanha; não era época de campanha, eu não era candidato", afirmou, admitindo uma acareação com Adauto. De acordo com o ex-deputado, em 5 de janeiro, um coordenador do PTB em Minas Gerais sacou recursos em agências dos Banco Rural e do Brasil (BB) na capital mineira - que foram acondicionados em dois pacotes e levados em avião de carreira para Brasília, onde foram entregues ao ex-tesoureiro informal do PTB nacional Emerson Palmieri. Queiroz disse que estava de férias na Bahia naquela data e que, por isso, não podia assegurar o montante nos dois pacotes.UsiminasO ex-deputado petebista assumiu também o recebimento de, aproximadamente, R$ 102,8 mil de recursos da Usiminas por meio da agência de publicidade. Queiroz confirmou que se encontrou, informalmente, com o presidente da siderúrgica, Rinaldo Campos Soares, que teria afirmado que repassaria R$ 150 mil para campanhas de interesse do PTB. A diferença entre o repasse e o valor recebido seriam a comissão e os impostos cobrados pela agência. "Eu não recebi; quem recebeu foram os candidatos nos municípios", alegou o ex-deputado mineiro. Porém, o ex-sócio da SMPB Ramon Hollerbach, que foi interrogado logo depois, afirmou que se tratava de uma doação da agência, a pedido de Soares. Réu nos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, Queiroz fracassou na tentativa de reeleger-se, em 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.