Mendes propõe criar corregedoria judicial de polícia

Presidente do STF se diz 'em parte surpreso' com divulgação de supostas irregularidades por Protógenes

FELIPE WERNECK, Agencia Estado

11 de março de 2009 | 12h06

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, chegou nesta quarta-feira, 11, de viagem oficial ao Egito e se disse "em parte surpreso" com a divulgação, pela revista Veja, de supostas irregularidades cometidas pelo delegado federal Protógenes Queiróz na Operação Satiagraha, investigação contra Daniel Dantas, do Grupo Opportunity. Mendes defendeu a criação de uma corregedoria judicial de polícia.   Veja Também: Em blog, Protógenes se defende de acusações de revista Operação Satiagraha As prisões de Daniel Dantas Os alvos da Operação Satiagraha   "Em parte, a reportagem também confirma minhas suspeitas de que estava havendo abuso", declarou. "Talvez precisássemos pensar num controle externo efetivo da polícia, que é necessário, e até numa corregedoria judicial de polícia, de modo que o Judiciário pudesse controlar esses eventuais abusos."Segundo a reportagem da Veja, a lista de investigados pelo delegado incluiria a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e um dos filhos do presidente Lula, Fábio Luiz da Silva. O ministro defendeu que haja a "repressão devida àqueles que cometeram abuso e as correções necessárias para que isso não mais se verifique". Ele também disse ter acompanhado do Egito invasões promovidas esta semana pela Via Campesina. "Qualquer movimento social é importante. A sociedade só anda mediante o inconformismo. Mas não pode haver invasão de propriedades públicas ou privadas e a ordem jurídica dispõe de mecanismos para reparar eventuais abusos".Gilmar, que preside o Conselho Nacional de Justiça, participou no Rio do 3.º Mutirão Integrado do Sistema Carcerário. Acompanhado pelo deputado Wagner Montes (PDT) e por representantes do Judiciário e do Executivo do Estado, ele visitou a Penitenciária Talavera Bruce, onde estão presas 339 mulheres. O ministro cumprimentou algumas, mas não conversou com nenhuma delas.

Tudo o que sabemos sobre:
JustiçapolíciaGilmar Mendes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.