Mendes critica Ministério Público

Para ministro, controle externo da PF não funciona

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2009 | 00h00

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, afirmou ontem que o controle externo do Ministério Público Federal sobre as ações da Polícia Federal "não pegou". "O próprio procurador-geral da República (Antonio Fernando de Souza) sabe que o controle externo não está funcionando", disse. Segundo ele, "as instituições não vivem apenas de símbolos, precisam ser efetivas".As críticas do ministro à atuação da Procuradoria da República com relação à apuração sobre eventuais desvios policiais foram feitas durante sabatina a que foi submetido pelo jornal Folha de S. Paulo, durante duas horas.À saída, Mendes recebeu vaias de alguns manifestantes do PSOL e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes). O ministro ignorou o protesto e retirou-se do auditório pelos fundos.No debate, Mendes reiterou censura ao suposto consórcio entre delegados da PF, procuradores e juízes. Segundo ele, essa aliança impede a fiscalização das ações da polícia e a punição a eventuais abusos. "Em muitos casos há conluio, combinação de ações, como nessa Operação Satiagraha", afirmou. "Quem controla a ação da polícia se o Ministério Público está envolvido nas suas ações?"O ministro afirmou que a intenção do juiz Fausto Martin De Sanctis, ao decretar pela segunda vez seguida a prisão do banqueiro Daniel Dantas, em julho de 2008, era "desmoralizar o Supremo". De Sanctis não quis comentar a crítica.Mendes insistiu na necessidade de coibir "abusos de juízes" e da criação de uma corregedoria judicial de polícia - ideia rejeitada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, e pelo procurador-geral da República. O ministro disse que, em setembro, quando foi informado sobre a escuta ilegal de que teria sido vítima com o senador Demóstenes Torres (GO), alertou o presidente Lula sobre "a anarquia" que estaria predominando em órgãos de investigação como a PF e a Abin.Negou que suas decisões beneficiem exclusivamente os ricos, como Dantas. Segundo ele, recentemente 18 habeas corpus foram concedidos a pessoas presas por "furto de chinelo, sabonete e bambolê".Indagado se tem projetos de natureza política, não disse nem sim, nem não. "Eu nem me cuido, nem me descuido", esquivou-se. E disse que não tem preocupações com o que vai fazer quando sair do STF.Mendes não quis se manifestar sobre o delegado Protógenes Queiroz, mentor da Satiagraha, nem sobre o juiz De Sanctis. Mas não poupou Paulo Lacerda, ex-diretor da PF e da Abin: "Acho que foi um mau diretor".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.