DENISE ANDRADE - AE
DENISE ANDRADE - AE

AO VIVO

Eleições: 2020: notícias, resultados e apuração do 2° turno

Mendes: corrupção não tem a ver com financiamento eleitoral, mas com método de governança

Segundo ministro do STF, Operação Lava Jato sinaliza que foi criada no Brasil 'uma forma de governar corrupta em toda a sua extensão'

Elizabeth Lopes e Pedro Venceslau, O Estado de S. Paulo

14 de setembro de 2015 | 11h15

SÃO PAULO - Em seminário promovido pela OAB-SP, Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Instituto de Estudos Avançados da USP e TV Cultura, na manhã desta segunda-feira, 14, na capital paulista, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse que o problema da corrupção crescente no País não está vinculado às doações privadas para as campanhas eleitorais - proposta aprovada na reforma política votada pelo Congresso Nacional na semana passada -  mas ao “método de governança”.

“Os fatos revelados em relação à Petrobras são suficientes para contar uma história sobre uma forma de governar, um método de administração.Isso pouco tem a ver com financiamento do sistema eleitoral, mas com método de governança”, disse o ministro.

Ainda segundo Gilmar Mendes, a Operação Lava Jato sinaliza que foi criada no Brasil "uma forma de governar corrupta em toda a sua extensão. "Contaminou-se todo o tecido político. Estruturamos um modo corrupto de fazer política”, afirmou.

Em sua exposição, o ministro do STF comentou, ainda, a Ação Direta de Inconstitucionalidade impetrada pela OAB na Corte. Segundo ele, neste pedido, a instituição “engendra um laranjal”. “(Segundo a proposta) todos poderão doar a mesma quantia, independentemente da sua capacidade financeira. Isso significa que o cidadão rico de São Paulo, banqueiro, e o receptor de Bolsa Família podem doar a mesma quantidade de recurso. Se o teto fosse R$ 10 mil, seria o mesmo para todos. Já no pedido, se engendra um laranjal”.

Mendes também criticou o ajuste fiscal promovido pelo governo. Segundo ele, é a legitimidade do governo "que está em xeque" neste momento. "Como falar em aumento de impostos nesse contexto geral, pedir sacrifício das pessoas no momento que elas estão indignadas com a corrupção? É uma questão de legitimidade do governo que está em xeque”.

Além de Gilmar Mendes, também participam do seminário "Saídas para a crise" o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e cientistas políticos.

Tudo o que sabemos sobre:
Gilmar Mendescorrupçãoimpostos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.