WILTON JUNIOR/ESTADAO
WILTON JUNIOR/ESTADAO

Menções a esquerda, segurança e 'fim do mimimi' chamam a atenção no discurso de Bolsonaro

Analistas e aliados do presidente tentam definir proposta de acabar com o ‘politicamente correto’

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2019 | 05h00

Logo no início do seu discurso no parlatório do Palácio do Planalto, o presidente Jair Bolsonaro suscitou dúvidas ao defender que o País seja libertado do “politicamente correto”. O mundo político fez leituras peculiares da fala do presidente. 

Integrantes da oposição entendem que “o fim do politicamente correto” seria uma espécie de sinal verde para discriminações – mesmo que em forma de piadas – contra mulheres, gays, negros ou pessoas com deficiência.

No entorno do presidente, as interpretações vão de “fim do mimimi” até um ataque à esquerda e aos “defensores de bandido”. As deputadas federais eleitas pelo PSL Joice Hasselmann e Carla Zambelli, por exemplo, ressaltaram aquilo que elas consideram autêntico em Bolsonaro. 

“Ele, assim como eu, não gosta de frescura”, disse Joice. “Não tem a ver com preconceito, mas, com o Bolsonaro, as coisas são o que elas são. As coisas são espontâneas”, afirmou Carla.

Outras pessoas próximas ao presidente acreditam que o “fim do politicamente correto” apregoado por ele está ligado “ao fim do socialismo” (também parte do discurso de posse). Ou seja, para o presidente, o politicamente correto seria um instrumento da esquerda para exercer controle social e se manter no poder. 

O termo no discurso de Bolsonaro também seria, segundo Carla Zambelli, uma referência à ação de seu governo no campo da segurança pública. “Quando o presidente diz que vai endurecer com bandidos e traficantes, é o lado politicamente correto da sociedade que vem usar os direitos humanos para criticá-lo. O presidente, imagino, referiu-se a isso durante o seu discurso. No governo dele vai ser diferente”, afirmou. 

A deputada estadual eleita Janaína Paschoal (PSL) interpreta como uma ode à liberdade de expressão. “Estávamos todos vivendo uma verdadeira opressão. Qualquer crítica, qualquer ponderação referente às bandeiras do assim chamado ‘politicamente correto’ vinha sendo estigmatizada como racismo, machismo, homofobia, fascismo etc.”, disse ela.

“Nesse sentido, respirei aliviada com a fala do presidente. Só penso ser importante lembrar que o contrário do politicamente correto não é o politicamente incorreto, mas a liberdade”, acrescentou a deputada. 

Perseguição. Nos últimos anos, o próprio Bolsonaro já manifestou sua contrariedade ao politicamente correto. Em outubro de 2017, ele publicou no Twitter um texto contra uma decisão da juíza Frana Elizabeth Mendes que o condenou a pagar R$ 50 mil de indenização por ter se referido a quilombolas e negros de forma ofensiva. Na ocasião, a juíza declarou que “política não é piada”. Bolsonaro rebateu: “Não me diga!? Contra todo o politicamente correto que só é usado quando interessa aos ‘amigos’ que estamos aqui e seguiremos avançando.”

No YouTube, é possível assistir a um vídeo, de 2016, em que Bolsonaro relaciona o politicamente correto ao que ele chama de “vitimismo”. “Uma das desgraças do País é o politicamente correto. O povo está sendo doutrinado para acusar alguém do seu insucesso. Se ele brocha em casa, ele culpa alguém... A culpa não é dele, não. Ele culpa o Viagra, o Cialis, a mulher, a criança chorando no quarto...” 

Em 2018, já durante a campanha, em um evento do setor sucroenergético, Bolsonaro declarou que, por culpa do politicamente correto, não seria possível brincar com praticamente mais nada. “Eu exagero de vez em quando nas brincadeiras, por isso sou réu no Supremo Tribunal Federal. Mas a gente vai mudar o Brasil, se Deus quiser.” Na ocasião, Bolsonaro se referia a duas ações penais no STF por ter dito à deputada Maria do Rosário (PT-RS), em 2014, que não a estupraria porque ela “não merecia”. 

Protocolos. O jornalista, escritor e professor da ECA-USP Eugênio Bucci afirmou que, apesar do discurso, “a Presidência da República precisa ser regida, por meio de seus protocolos, normas, leis e pela própria Constituição, pelo politicamente correto”. “O código de ética do cargo, impõe uma conduta que já é sinônimo de politicamente correto”, disse. 

Já o professor de Ética e Filosofia Roberto Romano disse que Bolsonaro não deve compreender todas as implicações de decretar o fim do politicamente correto. “Ele só repetiu um slogan do pensamento e da prática de parte da nova direita brasileira que não tem cultura e elaboração sobre o mundo da ética e das construções sociais”, disse.

Expressão. Para o cientista político Humberto Dantas (Uninove), o discurso indica que Bolsonaro “tenta se aproximar da ideia americana de liberdade de expressão – que tolera manifestações mais contundentes e até agressivas contra adversários ideológicos”.

O humorista Oscar Filho também comentou o discurso do presidente. “Nem um presidente nem ninguém pode libertar o povo do politicamente correto. Anunciar uma ideia dessa é querer impedir a evolução das relações humanas e isso são as pessoas que decidem”, disse. “Um anúncio como esse soa tão autoritário, impossível e ridículo quanto construir um muro entre dois países”, completou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.