André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Menção a Temer no Twitter supera Lula e Bolsonaro

Segundo levantamento da FGV, intervenção federal no Rio de Janeiro fez com que citações ao presidente nas redes sociais dominassem a discussão sobre segurança pública na última semana

Daniel Weterman , O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2018 | 05h00

A intervenção federal no Rio de Janeiro fez com que as menções ao presidente Michel Temer nas redes sociais dominassem a discussão sobre segurança pública na última semana, mostra levantamento da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com o protagonismo de Temer, o presidente superou o volume de menções no Twitter em comparação com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Enquanto Temer foi citado 439.634 vezes de 15 a 21 de fevereiro, Lula recebeu 330.949 menções e Bolsonaro, 289.737.

+++Temer investe em nova agenda e Bolsonaro reage

Na associação específica sobre segurança pública, Temer teve 123.685 menções a seu nome no período, enquanto Bolsonaro, que geralmente ocupa o protagonismo do tema, recebeu 57.191 citações, menos da metade em relação ao presidente.

A medida no Rio, destaca o relatório, fez aumentar também as discussões sobre uma possível candidatura do presidente. O tema eleições associado ao emedebista recebeu 145.706 interações no período, bem à frente de Lula (74.686) e Bolsonaro (74.116).

“O protagonismo de Temer fez com que o presidente superasse o volume de menções ao ex-presidente Lula e a Bolsonaro nas redes sociais ao longo da semana, apresentando-se em destaque entre os atores da corrida eleitoral de outubro”, diz o relatório. “O decreto recoloca Michel Temer no cenário eleitoral com pauta antes dominada por Jair Bolsonaro.”

+++Para Maia, possível candidatura de Temer é 'direito legítimo' do presidente

Já no Facebook, ao contrário do que se verificou no Twitter, Temer apresenta desempenho discreto. “Vale observar que a pauta de intervenção federal na segurança do Rio tem sido extensivamente divulgada por diferentes personagens e setores do governo federal, até mesmo em propagandas, mas Temer pouco usa a página pessoal para repercuti-la, e são poucos os perfis que interagem diretamente com o perfil político de Temer, e não institucional”, diz o estudo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.