Mello nega pressão, mas diz que recebeu mais e-mails

Logo após seu voto que decidiu que vai ocorrer um novo julgamento do processo do mensalão, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou que a prática da Justiça é um exercício solitário. "Eu não posso sobrepor as minhas convicções individuais sobre o estatuto constitucional que protege as liberdades fundamentais de nosso País", afirmou, em entrevista coletiva à imprensa.

RICARDO BRITO E ERICH DECAT, Agência Estado

18 de setembro de 2013 | 17h56

Para o decano do STF, se isso ocorrer, "haveria uma completa subversão do regime de liberdades públicas e a aniquilação gravíssima dos direitos, garantias e liberdades essenciais que dão sentido, que dão significado e que conferem legitimação material ao Estado democrático de direito".

Questionado por um dos repórteres se se sentia muito pressionado, o ministro negou. "Não, ao contrário. Este final de semana, com a única diferença do número muito grande de telefonemas, telefonemas que inundaram meu gabinete, e de um aumento considerável na minha correspondência postal e nos e-mails, não", disse. Ele ressaltou que passou um final de semana "tranquilo", que esteve até com sua filha que veio a Brasília para o aniversário de uma amiga. "Eu já estava com a minha convicção já formada desde a semana passada", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
STFmensalãoCelso de Mello

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.