Mello absolve Pizzolato do crime de lavagem de dinheiro

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou pela condenação do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato pelos crimes de corrupção passiva e dois peculatos, mas o absolveu em relação à acusação de lavagem de dinheiro. Ele votou ainda pela condenação de Marcos Valério e seus ex-sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach pelos crimes de corrupção ativa e dois peculatos.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

29 de agosto de 2012 | 18h57

Marco Aurélio considerou que os R$ 326 mil recebidos por Pizzolato foram pagos por Valério e seus ex-sócios em troca de benefícios em contratos com o Banco do Brasil. Ele votou pela condenação de peculato duas vezes por entender haver crime em relação à apropriação de recursos de bônus de volume pela agência DNA e também em relação aos repasses feitos por meio do fundo Visanet. O ministro, porém, votou pela absolvição no crime de lavagem de dinheiro por entender que a forma de recebimento foi um mero "exaurimento" do crime de corrupção.

O ministro ressaltou ainda que a condenação dos ex-sócios de Valério pelo crime de corrupção ativa não se deve a sua posição nas empresas. Destacou que eles participavam da administração e assinavam cheques. No caso de Pizzolato, aliás, a assinatura do cheque usado para o saque era de Cristiano Paz.

Marco Aurélio votou também pela absolvição de Luiz Gushiken, ex-ministro da Comunicação Social. Este foi o nono voto favorável a ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.