Meirelles vai tirar 15 dias de licença em março

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, comunicou ontem ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva sua decisão de tirar licença do cargo, em março do ano que vem, por quinze dias. Segundo ele, até lá, não se dedicará ao assunto de uma possível candidatura ao Senado ou a qualquer outro cargo eletivo. "Só vou desviar minha atenção em março", disse. E acrescentou: "em março, tiro 15 dias de licença para decidir sobre esse assunto (se irá se candidatar). Me afasto para tomar uma decisão".u.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

30 de setembro de 2009 | 13h37

De acordo com ele, esse momento será importante não só por causa de sua posição no Banco Central, mas também para os funcionários do BC e os agentes do mercado. Questionado pela Agência Estado sobre se nesse período ele adotaria uma postura de observador, para averiguar as consequências de um possível afastamento seu da autoridade monetária, Meirelles sorriu e despistou: "não vamos especular".

Meirelles relatou que o presidente Lula foi receptivo em relação a sua decisão. "O presidente Lula entende que existem desdobramentos futuros sobre uma decisão de minha parte e é legítimo que eu me afaste por um período em março", afirmou.

O presidente do BC comentou que de Goiânia, partirá para Brasília e, de lá, para Copenhague. Nos próximos dias também estão previstas outras viagens internacionais, como para Nova York, Londres e Basileia. "Hoje foi um dia muito intenso, gratificante", disse, ao lado de sua esposa, Eva. "Mas, em algumas horas, estarei focado em outro mundo", continuou.

Meirelles comenta em seguida que a participação dela tem sido muito importante nas escolhas que tem feito em sua carreira. "Fico feliz com a presença dela aqui", disse, recomendando ao motorista, na sequência, que dirija em direção a sua residência, em Goiânia, e não para o aeroporto. "Vou para casa. De lá posso fazer uns telefonemas", disse. "O Torós (diretor de política monetária, Mário Torós) está me esperando. Tenho que trabalhar", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.