Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Meirelles se diz ‘honrado’ com preocupações sobre candidatura

Em entrevista a rádio, ministro respondeu à pergunta sobre Maia, que também articula candidatura ao Planalto

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quinta-feira, 18, que se sente “honrado” com as preocupações de possíveis concorrentes à Presidência da República – como o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – com a sua eventual candidatura.

“Sobre preocupações de outras pessoas, acho muito normal, razoável e legítimo que pessoas – seja lá quem for – fiquem preocupadas com potenciais adversários no futuro”, disse Meirelles em entrevista à Rádio Metropolitana de Salvador, após ser questionado sobre Maia.

+++Maia admite candidatura caso melhore nas pesquisas de intenção de votos

Segundo o ministro, as preocupações em torno da sua eventual candidatura em 2018 começaram um ano e meio atrás, quando ele assumiu o Ministério da Fazenda. “Minha resposta continua a mesma. Fico muito honrado que fiquem preocupados comigo, com o meu potencial de crescimento no futuro”, completou.

Questionado também sobre o fato de Michel Temer ter dito em entrevista ao Estado que o preferia no Ministério da Fazenda, Meirelles respondeu que o presidente não poderia ter dado uma resposta diferente.

+++Planalto articula frente anti-Lula nos ministérios

“Achei natural. Ele deu a resposta óbvia e correta. Fico feliz que ele esteja satisfeito com o meu trabalho e desejando que eu possa continuar o maior tempo possível. Não existe um elogio maior a um profissional”, afirmou o ministro.

+++ANÁLISE: Especulações em ritmo máximo

Meirelles voltou a dizer que só tomará uma decisão sobre sua candidatura no fim de março ou início de abril. O ministro reforçou que hoje está “inteiramente dedicado” ao trabalho no ministério e, segundo ele, o resultado desse trabalho é que decidirá o seu futuro.

“Se o Brasil estiver crescendo, gerando emprego e com inflação baixa, poderei pensar em alternativas”, respondeu. “A economia não é algo vago, a economia afeta a vida de todos. Quem tem essa responsabilidade tem de levar isso muito a sério, não pode ficar pensando em outras coisas.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.