Meirelles não cogita pedir demissão da presidência do BC

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou hoje que não cogitou pedir demissão do cargo, em função das denúncias que envolveram seu próprio nome. Segundo ele, as denúncias são "inconsistentes" e a "jurisprudência está firmada". Meirelles disse ainda que "tudo está totalmente esclarecido na nota do Banco Central, divulgada na sexta-feira passada.Ele reiterou que a decisão do diretor de Política Monetária do BC, Luiz Augusto Candiota, de pedir demissão, foi de cunho pessoal e que cabe respeitá-la. "Candiota tem todo o direito de tomar a decisão que ache melhor."Meirelles deu essas declarações ao ser questionado por jornalistas sobre por que o diretor não permaneceu no cargo, como ocorreu na administração do ex-presidente do BC Armínio Fraga, com a manutenção da diretora de fiscalização Teresa Grossi, se as denúncias contra ele são consideradas "inconsistentes". Meirelles disse que Candiota vinha amadurecendo sua decisão em função das insinuações na imprensa sobre procedimentos de envio de recursos ao exterior e resolveu tomá-la no início desta semana.ReportagemNa sexta-feira passada, a edição da revista IstoÉ trouxe a denúncia de que Meirelles e Candiota estariam sendo investigados pelo Ministério Público e pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banestado por suspeita de sonegação fiscal, evasão de divisas e omissão fiscal. Veja mais informações sobre o assunto nos links abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.