Meirelles e Casseb darão explicações, diz Genoino

O presidente nacional do PT, José Genoino, afirmou hoje que está convencido que o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o presidente do Banco do Brasil, Cássio Casseb, vão dar as explicações necessárias sobre as mais recentes denúncias de suposta sonegação fiscal e evasão de divisas divulgadas no fim de semana pelas revistas Veja e Isto É. Em entrevista veiculada pelo portal do partido na internet, ele ligou as acusações à oposição. "A oposição sempre vai fazer isso. Ela foi derrotada em todo o seu discurso ao longo deste um ano e oito meses, seja no aspecto econômico, no ético ou no social. Agora eles ficam pegando qualquer coisa para tentar se firmar como oposição", destacou. Em outro assunto ligado aos opositores do governo Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente do PT afirmou que deve haver uma conversa entre Lula e os governadores do PSDB sobre o aumento de repasse de recursos da União aos Estados, mas alertou que as eleições não podem interferir na agenda do País. Os sete governadores tucanos se reúnem hoje, em Palmas (TO), para elevar a pressão em relação a este assunto. "Essa conversa tem de haver. O que vai nascer dela não sei. Os governadores sempre querem mais do que o País pode. Mas estamos vivendo um momento muito importante do pacto federativo. De forma que a solução para eles não pode ser em detrimento do papel da União", observou. "Num ano eleitoral, é bom que a oposição converse com o governo para que se paute a disputa." O presidente nacional do PT se mostrou otimista com a votação, em agosto, de projetos pendentes importantes no Congresso, como o das Parcerias Público-Privadas (PPP). Ele avaliou como uma vitória da política externa do governo Lula o resultado da reunião deste fim de semana da Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra, na Suíça, onde foram definidas diretrizes para os próximos passos das negociações comerciais entre as nações do globo. "O Brasil teve uma grande vitória. O resultado foi um avanço na discussão sobre protecionismo e favorece muito ao Brasil. Foi um momento de grandes resultados da política externa do presidente Lula, principalmente no que se refere à atuação do chamado G-20, grupo que tem uma importância muito grande para a política externa brasileira", disse Genoino.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.