Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Meirelles diz estar preocupado com 'candidatos dos extremos'

Sem citar nomes, presidenciável do MDB criticou Ciro Gomes e Jair Bolsonaro, além de ter reafirmado seu compromisso com as reformas estruturais

Marianna Holanda, Gilberto Amendola e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 12h27

SÃO PAULO - O pré-candidato e ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB) afirmou nesta segunda-feira, 18, durante o Fórum Unica (União da Indústria de Cana de Açúcar), que está preocupado com as propostas dos "candidatos dos extremos".

+ Rabello diz que governo é inimigo do desenvolvimento nacional'

Sem citar nomes, Meirelles disse que em um dos pólos estão os candidatos que pregam "desfazer reformas fundamentais" e não fazer "reformas que ainda precisam ser feitas". Em outro pólo, segundo Meirelles, estaria o candidato que "promete distribuição de armas". " Imagine isso espalhado pelo País? Qualquer briga de trânsito pode ter duas pessoas armadas. Isso é selvageria", afirmou.

Meirelles se disse "totalmente entusiasmado" com sua candidatura e considera que o País tem uma oportunidade histórica de crescimento. Sobre a situação econômica do País, reconhece que não é a que queria - e que embora o governo tenha criado dois milhões de postos de trabalho, a quantidade foi insuficiente para um déficit de 14 milhões. "A situação do desemprego é algo que me entristece", disse.

+ Henrique Meirelles escolhe coordenador econômico da pré-campanha

Perguntado sobre o peso do legado do governo Temer em sua performance em pesquisas eleitorais, Meirelles respondeu que "nada impede" que sua candidatura decole. Para ele, o que dificultua o crescimento nas pesquisas é o fato de ainda não ser conhecido pela maioria da população. "Mas é questão de tempo. Estaremos no segundo turno e venceremos".

O pré-candidato do MDB disse ter "evidências concretas" de que ganhará a convenção nacional do partido e será lançado como candidato oficial ao Planalto. "(Sobre) a convenção, a única dúvida que temos é o tamanho da vitória. Queremos ter uma vitória consagradora, vitória em que haja uma grande união do partido. Que ganharemos, não tenho dúvidas", disse. 

+ Meirelles diz que não é necessário descolar sua imagem de Michel Temer

Perguntado sobre os questionamentos de correligionários sobre a sua campanha, disse que o MDB é um grande partido, está presente no País inteiro e é normal que existam diferentes tipos de opinião dentro da sigla. 

+ Meirelles afirma que convergência do centro político vai acontecer 'no devido tempo'

Sobre a fala do senador Renan Calheiros, especificamente, que disse ao Estado que Meirelles não deve ser homologado na convenção de julho, Meirelles rebateu que trata-se de uma "opinião legítima, mas ele está errado". "Teremos uma grande vitória na convenção e já tenho evidências concretas disso do País inteiro", completou o presidenciável.

Meirelles disse também que não cabe a ele a defesa jurídica do legado do presidente Michel Temer. "Defendo o que foi feito no governo, defesa jurídica de Temer é outra questão", afirmou. Ele citou como conquista do governo a PEC do Teto e a terceirização;

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.