Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Meirelles afirma que está 'em projeto diferente' do de Alckmin

Ministro da Fazenda diz que não pretende ser vice do tucano e reafirma seu projeto de disputar a Presidência neste ano

Ricardo Araújo, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 05h00

NATAL - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), negou nesta segunda-feira, 5, que tenha se aproximado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), para discutir a candidatura de vice numa eventual chapa à Presidência da República encabeçada pelo tucano. Meirelles reafirmou que irá se posicionar sobre mudança de partido e disputa eleitoral em abril, quando termina o prazo da janela partidária.

“Não tenho tido conversas com o governador Alckmin. Tenho respeito pelo governador e etc., mas estamos em projetos diferentes e não tem havido essas conversas”, afirmou.

“Vou definir sobre as candidaturas nos próximos 30 dias. Em um mês eu anuncio essa decisão e apresento meus projetos. Depende de uma série de avaliações que estou fazendo, incluindo sobre eleitorado”, disse.

+++Dá para acelerar?

Meirelles esteve em Natal nesta segunda-feira, onde participou do evento Motores do Desenvolvimento, promovido pela Federação do Comércio, Bens e Serviços do Rio Grande do Norte (Fecomércio-RN). O ministro falou sobre os rumos da economia nacional e o processo de recuperação do índice de confiança do empresariado, abertura de novos postos de trabalho e diminuição do desemprego. 

+++Intervenção faz Alckmin reforçar tema da segurança

“O presidente Temer e eu estamos no mesmo projeto. Estamos construindo a recuperação do Brasil e certamente vamos conversar bastante para se chegar a um entendimento para ter um nome representando exatamente a continuidade dessa recuperação do Brasil em andamento”, disse.

Movimento. O Estado apurou que Meirelles vai procurar caciques do MDB em busca de apoio para a disputa ao Planalto pelo partido e para mensurar quais são suas reais chances de se candidatar pela sigla. O ministro deve conversar com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE), e o líder do MDB na Casa, senador Raimundo Lira (PB). Na semana passada, ele se reuniu com o líder da sigla na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), um dos mais próximos de Temer. / COLABOROU IGOR GADELHA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.