AMPERJ
AMPERJ

Meio ambiente e defesa da classe marcam carreira do novo chefe do MP do Rio

Luciano Mattos vai comandar Promotoria do Rio pelos próximos dois anos; expectativa é de que ele ‘apareça’ mais

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 20h02

RIO – Futuro chefe do Ministério Público do Rio, Luciano Oliveira Mattos de Souza passou a década passada envolvido especialmente com dois temas: o meio ambiente e a defesa de direitos e prerrogativas da classe. Presidente da Associação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (Amperj) de 2013 a 2018, Mattos é tido como um promotor bom de conversa.

Há, na categoria, a expectativa de que, à frente da Procuradoria-Geral de Justiça, Mattos apareça mais do que o atual ocupante do cargo, José Eduardo Gussem. Isso porque o promotor defende que o procurador-geral de Justiça exerça as chamadas “atividades-fim” do Ministério Público, o que inclui, por exemplo, a promoção de ações penais. Gussem, por sua vez, costumava delegar essas tarefas a grupos específicos da Promotoria, o que provocou críticas dentro da instituição.

À frente da Amperj, Mattos é apontado como o responsável por ampliar a atuação externa da associação, dialogando com os Poderes tanto no Rio quanto em Brasília. Na eleição para a chefia do MP, teve apoio do ex-procurador-geral Marfan Martins Vieira. Atualmente no cargo de subprocurador-geral de Justiça de Relações Institucionais e Defesa de Prerrogativas, Marfan foi quem levou a lista tríplice com os mais votados da eleição da categoria para o governador interino, Cláudio Castro (PSC) – Mattos ficou em primeiro.

Nascido em Niterói, o novo PGJ comandava, até agora, a Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Meio Ambiente. Também chefiou braços do Ministério Público em Cabo Frio e São João da Barra. São 25 anos de casa, na qual ingressou em 1995.

No comando do Ministério Público do Rio a partir do dia 15, quando toma posse, Mattos enfrentará casos de repercussão nacional e sensíveis ao presidente Jair Bolsonaro. Um deles é a investigação envolvendo o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ). O filho mais velho do presidente foi denunciado pelo MP do Rio sob acusação de liderar um esquema de “rachadinha” (desvio de salários de assessores) quando era deputado estadual.

O MP do Rio conduz ainda investigação sobre o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) por suspeita de manter “assessores fantasmas”, além das apurações sobre a morte de Marielle Franco e a atuação de milícias no Rio.

O próprio Castro também tem problemas com a Promotoria. Um vídeo em que o então vice-governador se encontra com um empresário foi usado por delator para alegar que Castro estava recebendo propina. Ele nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.