Medidas são ''hipócritas'', diz Agaciel

Em depoimento a senadores, ex-diretor geral previu prejuízos ao Senado

Rosa Costa, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

03 de junho de 2009 | 00h00

Afastado do cargo e apontado como símbolo da cultura administrativa do Senado que permitiu a proliferação de diretorias e o pagamento de horas extras indevidas, o ex-diretor-geral da Casa Agaciel Maia criticou ontem as medidas implementadas pela direção da instituição para retirar os senadores da berlinda. Em depoimento a uma comissão de senadores, Agaciel chamou as medidas de "hipócritas", acusou os atuais gestores de fazerem "demagogia" e previu que "daqui a três anos" o Senado será prejudicado pelas mudanças. "Quero ver o funcionamento do Senado com toda essa hipocrisia, essa celeuma que se fez sobre os contratos, quero ver o resultado disso daqui a três anos", disse.Ele e o ex-diretor de Recursos Humanos João Carlos Zoghbi foram ouvidos, separadamente, por senadores. Zoghbi, em entrevista, tinha acusado Agaciel de comandar um esquema de corrupção. Ontem, Zoghbi disse que só fizera as acusações por estar pressionado emocionalmente. Agaciel também negou todas as acusações.Para o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), o comportamento do ex-diretor-geral comprova a tese de que ele extrapolou suas atribuições nos 14 anos em que comandou a máquina administrativa do Senado. "Agaciel se sente um super senador, um senador licenciado, pensa que isso acaba e ele volta", ironizou. Para Virgílio, os servidores estavam preparados para negar todas as acusações. "Criou-se um clima em que ninguém é culpado, todo mundo acoberta todo mundo, é um clima de silêncio mafioso, de deixar passar o temporal."A audiência, na antessala da presidência do Senado, foi esvaziada pela ausência dos parlamentares. Na maior parte do tempo estavam presentes apenas três representantes do PSDB, Virgílio, Marconi Perillo (GO) e Tasso Jereissati (CE). O senador Tião Viana (PT-AC) foi o único integrante da base aliada presente. Os dois servidores alegaram que se limitavam a cumprir ordens dos primeiros-secretários e da Mesa Diretora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.