Medidas contra greve da polícia são desastrosas, diz associação da PF

A Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal protocolou hoje no Palácio do Planalto uma carta endereçada ao presidente Fernando Henrique Cardoso chamando de "desastrosas" as medidas que o governo deverá anunciar nesta quarta-feira para tentar resolver as greves da Polícia Militar e da Polícia Civil nos Estados.O presidente do Conselho Diretor da associação, Bolívar Steinetz, diz na a carta que ela tem o objetivo de "alertar" o presidente contra "alternativas desastrosas que vêm sendo apresentadas por alguns setores da administração, como a da criação de uma guarda nacional", já descartada pelo governo.A carta critica também a proposta de se unificar a Polícia Militar e a Civil e de se desmilitarizar a PM. "Fala-se na criação de outro estamento fardado, certamente estruturado à semelhança das Forças Armadas e cujos servidores tenderão a também reclamar dos baixos salários", afirma o texto.Os delegados federais qualificam de "igualmente absurda" a proposta, também já descartada, de se conceder às Forças Armadas o poder de polícia, pois, lembra, os militares exerceram esse poder no "passado recente, de triste memória, com danos irreparáveis à sociedade brasileira e em total desrespeito à Constituição e aos avanços democráticos inseridos na Carta de 1988."Os delegados insistem, na carta, na afirmação de que a causa da revolta nas polícias são os baixos salários, que não estariam permitindo aos policiais e suas famílias "uma vida digna". Eles reagem às críticas feitas aos policiais grevistas, afirmando que os autores das críticas se esquecem de que o direito de greve está na Constituição.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.