Médicos da rede pública anunciam dia de protesto nesta quarta

Mobilização será em todo o País; profissionais protestam por melhores salários e atendimento à população

19 de novembro de 2007 | 13h27

Os médicos da rede SUS anunciaram dia de protesto nesta quarta-feira, 21. A mobilização prevê uma série de atividades organizadas pelas entidades médicas locais, que vão desde paralisações até debates sobre a precariedade do sistema de saúde e a remuneração dos médicos. Entre as principais reivindicações dos profissionais, estão o reajuste salarial,  o melhor atendimento à população e o serviço público eficiente na área da saúde. O lema da mobilização é "medicina brasileira exige respeito." No mesmo dia do protesto, será anunciado um calendário de atividades e também a data de uma paralisação nacional. Também nesse dia, os profissionais devem se mobilizar em suas clínicas, hospitais e serviços de saúde e seguir em caravana para as Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais para promover discussões sobre a situação da saúde no País.  A tabela do SUS é classificada como "vergonhosa" pelos médicos. "Mesmo depois do aumento anunciado em outubro pelo Ministério da Saúde, os médicos são obrigados a acumular empregos, o que se reflete na qualidade do serviço".  Com a aprovação da regulamentação da Emenda 29 - que destina mais recursos para a saúde - na Câmara dos Deputados, os médicos discutem como aproveitar o momento político para alertar a população sobre a crise na saúde. "É hora de demonstrar a insatisfação dos médicos com a baixa remuneração e com as condições precárias de trabalho, que prejudicam o atendimento à população", destaca o coordenador da Comissão, Geraldo Guedes.  Leia as reivindicações: • melhor atendimento à população • reajuste de 100% do montante destinado aos honorários médicos do SUS • remuneração piso de R$ 6.963,52 para 20 horas de trabalho. (conforme recomendação do último Enem) • carreira de Estado e implantação de plano de cargos e salários para os médicos no SUS.

Tudo o que sabemos sobre:
ParalisaçãomédicosSUS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.