Médicos alertam: diabete é doença silenciosa

Basta responder a sete perguntaspara medir o risco de desenvolver diabete. Dois alunos do últimoano de medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)adaptaram um questionário da Associação Americana de Diabetepara a população brasileira. Amanhã é Dia Mundial da Diabete.Médicos aproveitam a data para alertar as pessoas sobre a doença caracterizada por altas taxas de açúcar no sangue. O questionário adaptado foi aplicado em 407 funcionáriosde uma empresa da capital paulista. Para avaliar sua eficiência,todas as pessoas fizeram exame de sangue para dosar o nível deglicose no organismo. A comparação dos resultados comprovou queo questionário funciona como um alerta e deve ser usado pelaspessoas pelo menos uma vez por ano. O trabalho dos estudantesfoi premiado no Congresso Acadêmico Paulista de Medicina. "Muita gente só descobre que tem diabete depois deenfartar", alerta Silvio Reggi, um dos estudantes. "Do começoda instalação da doença até seu diagnóstico, costuma levar seisou sete anos." Isso porque a diabete age no organismo de formasilenciosa. Mesmo sem sintomas, a doença agride o corpo e podeprovocar complicações se não for tratada logo. O enfarte é umadelas. "A diabete tem crescido em proporções alarmantes", dizAntonio Roberto Chacra, professor da Unifesp que orientou otrabalho dos estudantes. No Brasil, a doença atinge 6 milhões depessoas. O endocrinologista José Carlos Cavenaghi, do Hospitaldas Clínicas, diz que excesso de peso e história de diabete nafamília são os principais fatores de risco para a doença. "Mastodas as pessoas devem se cuidar, passando por revisões médicasperiódicas", diz ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.