Médico que fez lipoaspiração fatal não é cirurgião plástico

O médico Marcelo Caron não é cirurgião plástico. É o que garantem a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, responsáveis por conferir títulos de especialistas nessa área. Nenhuma das entidades tem arquivado registro de diploma de residência médica em nome de Caron.A denúncia foi publicada pelo jornal O Popular, de Goiânia, que investigou e descobriu que o médico não fez especialização no Hospital Mário Gatti, em Campinas (SP), como alega, mas apenas estágio de dois anos, o que não o habilita ao registro de especialista no Conselho Regional de Medicina. Mesmo assim, o CRM de Goiás aceitou inscrição dele como especialista, em 2000.Acusação de homicídioAinda hoje, a entidade o reconhece como tal, apesar de, em março de 2001, ter consultado a CNRM sobre a especialização do médico, após a morte de Flávia de Oliveira Rosa. Ela foi a terceira das cinco pacientes mortas em decorrência de cirurgia feita por Caron.Indiciado em Taguatinga por homicídio culposo pela morte da secretária Adcélia Martins, o médico será enquadrado por tentativa de homicídio contra a estudante Graziela Murta, que morreu nesta quinta-feira.Caron foi estagiário e não residenteO médico Denísio Marcelo Caron passou pelo Hospital Municipal Mário Gatti, em Campinas (SP), de janeiro de 1994 a dezembro de 1996. O presidente da Comissão de Residência Médica da instituição, Sérgio Dias, informou que, nesse período, o médico atuou somente como estagiário na unidade e não como residente.É grande a diferença entre a residência médica e o estágio. Para ser residente, o candidato precisa fazer uma prova para ser admitido no curso e passa por avaliação de quatro em quatro meses. Depois de aprovado, o residente recebe uma bolsa e tem de cumprir uma carga horária de 60 horas semanais.Já o estagiário não precisa fazer prova para ser admitido no curso nem recebe bolsa e também não é obrigado a cumprir o cronograma de atividades ou fazer as avaliações quadrimestrais.Reunião de emergênciaO CRM de Goiás anunciou reunião de emergência para avaliar a situação, mas ainda não se pronunciou oficialmente a respeito do assunto. Nesta sexta-feira, o CNRM deve emitir um comunicado sobre o caso Marcelo Caron.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.